05/08/20
25º/13ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Saiba mais

Alimentos que podem retardar a cicatrização

Ao realizar um procedimento cirúrgico que gera algum tipo de lesão, várias preocupações surgem, e o aspecto final da cicatriz. Tornar a cicatriz quase imperceptível não depende apenas do médico ou cirurgião, há outros fatores que definem a aparência do tecido lesionado e a composição do cardápio.

Certas substâncias encontradas nos alimentos têm a capacidade de retardar ou potencializar a reconstrução da área que sofreu uma incisão feita pelo bisturi do cirurgião, ou por um acidente. Alimentos ricos em vitaminas, proteínas, ferro e zinco, consumidos adequadamente, trabalham em conjunto para uma cicatrização rápida e saudável. Portanto, as escolhas alimentares fazem toda a diferença nesse processo e, por isso, é fundamental saber o que deve fazer parte da dieta e o que deve ficar longe do prato.Como ocorre a cicatrização


O organismo enfrenta três fases nesse processo, a primeira é a inflamatória, caracterizada pela coagulação e migração celular, nela é necessário aumentar o aporte de vitamina K e proteínas. Já na segunda acontece a proliferação, ou seja, o desenvolvimento das células, sendo fundamental o consumo de alimentos ricos em vitamina C e minerais, como ferro e zinco. Na última fase acontece a remodelação, processo de maturação e estabilização do colágeno, por isso é essencial a presença de vitaminas e proteínas no organismo.

Fique longe
A especialista explica que, qualquer lesão já gera uma inflamação normal, sinalizando para o corpo que está na hora de cicatrizar, mas o processo se torna ainda mais complicado quando ingerimos alguns alimentos que causam um estado inflamatório preestabelecido, como é o caso de alimentos processados: "Os níveis de algumas proteínas no organismo são modificados, levando o corpo a um estado inflamatório mais elevado. Os alimentos ricos em gorduras trans, como salgadinhos, biscoitos e congelados, estão n o topo da lista de itens contraindicados nesse processo".

De acordo com Domingues, por serem ricos em sódio, esses alimentos ainda causam um inchaço no corpo, que também atrapalha a recuperação. Os embutidos e os cortes mais gordos de carnes, como picanha e cupim, que são redutos de gorduras saturadas também devem passar longe do prato. "O maior risco da ingestão desses alimentos é que um maior número de células de defesa é recrutado para ajudar a reparar a ferida, isso acaba promovendo mais a formação de colágeno e vasos sanguíneos no local, gerando uma sobrecarga da proteína que aumenta o risco de desenvolver a temida queloide, que nada mais é do que o resultado dessa reação do organismo e consiste em uma cicatriz maior, com excesso de pele. Portanto, para evitar que isso aconteça, o ideal é seguir a dieta corretamente" – finaliza a nutricionista.
Redação Bonde com Assessoria
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
CoronaVac
Mais cinco centros no Brasil iniciam testes com vacina chinesa
05 AGO 2020 às 15h40
Neste sábado
Agendamento para vacina contra o sarampo em Londrina já está liberado
05 AGO 2020 às 15h15
Veja a lista
Mais Médicos tem 121 vagas para 81 municípios do Paraná
05 AGO 2020 às 12h58
Confira
UBS do jardim Santiago reabre após reforma
05 AGO 2020 às 10h45
Temporários
Brasil abre 21 mil leitos de UTI durante pandemia, mas oferta ainda é desigual
05 AGO 2020 às 10h33
Pandemia no Brasil
Contágio acelerado de Covid-19 completa 15 semanas no Brasil, indicam cálculos
05 AGO 2020 às 10h04
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados