23/09/20
°/°
Informação nutricional

Oficina sobre agricultura e alimentação discute urgência de melhorar a nutrição da população

Nesta quarta-feira (3), representantes das comunidades científicas de agricultura e alimentação e tomadores de decisão do Brasil se reúnem em evento promovido pela Embrapa e o Global Panel on Agriculture and Food Systems for Nutrition (Painel Global de Agricultura e Sistemas Alimentares de Nutrição). O objetivo é discutir a falta de dietas de qualidade em muitas partes do mundo e no Brasil, particularmente, e seu impacto na saúde da população.

Durante a Oficina sobre Sistemas Alimentares e Qualidade das Dietas, serão discutidas as recomendações apresentadas no Relatório sobre Perspectivas do Global Panel, Sistemas Alimentares e dietas: Como enfrentar os desafios do século XXI, e no artigo publicado na revista científica Nature, Uma nova agenda global para a pesquisa sobre os alimentos.


Nas últimas duas décadas, o Brasil conseguiu reduzir significativamente a fome e a pobreza no País, e hoje é visto como um dos melhores exemplos do mundo de como construir políticas públicas fortes para melhoria da nutrição. Para se ter uma ideia, entre 1989 e 2007, os casos de crianças com atraso no crescimento foram reduzidos de 19% para 7%.

No entanto, hoje se tem o entendimento de que o foco da pesquisa em alimentos deve abranger, além do aumento da produtividade, a oferta de maior qualidade nutricional nas dietas. Vinte por cento das mulheres brasileiras em idade reprodutiva têm anemia e a insegurança alimentar e nutricional continuam sendo um problema em comunidades específicas. Em 1975, o Brasil detinha a nona maior população de homens abaixo do peso. Já em 2014 ficou em terceiro lugar no ranking global no que se refere a homens obesos.

A pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizada pelo Ministério da Saúde em 2016, aponta que mais da metade dos brasileiros, 53,8%, está acima do peso ideal. Esse número vem crescendo nos últimos anos, era de 42,6% em 2006. Esse e outros dados relacionados â saúde dos brasileiros serão apresentados pela coordenadora-geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Michele Lessa de Oliveira, durante o evento, no painel sobre políticas e ações na pesquisa agropecuária para boa nutrição.

Na ocasião, também será apresentado o projeto Biofort que desenvolve variedades agrícolas com maiores teores de vitaminas e minerais, obtidas a partir de técnica de melhoramento convencional. "Atualmente, mais de vinte mil pessoas consomem alimentos biofortificados no Brasil, dentre oito culturas oferecidas: abóbora, arroz, batata-doce, feijão, feijão-caupi, mandioca, milho e trigo", conta Marília Nutti, pesquisadora da Embrapa e responsável pelo projeto. Recentemente o Maranhão assinou convênio com a Embrapa para fortalecer os cultivos de feijão-caupi no estado. Com isso, o governo espera melhorar a saúde e a nutrição de sua população, já que o estado tem uma das menores taxas referentes ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do País. Já no Piauí, a atuação do Biofort tem focado na implantação de kits de bombeamento de água ativados por energia solar para suprir a carência da população. A água é utilizada também para irrigação de cultivos biofortificados.

Doenças cardíacas, câncer e diabetes são responsáveis por mais da metade das mortes no Brasil. O consumo de alimentos ultraprocessados, que contêm alta densidade energética, mas baixa densidade nutricional, especialmente por comunidades de baixa renda, tem sido identificado como fator-chave para essa condição.

Atualmente, o Brasil, assim como muitos outros países, está experimentando o duplo problema de má-nutrição, quando o sobrepeso e a obesidade passam a exigir atenção dos governantes e da pesquisa tanto quanto as deficiências nutricionais.

Albaneide Peixinho, vice-presidente do Conselho Federal de Nutricionistas do Brasil, enfatiza que o Brasil avançou muito do ponto de vista do combate à desnutrição nos últimos anos. Mas alerta que esse quadro pode retroagir diante de um cenário de redução de aportes financeiros essenciais para a manutenção das políticas sociais responsáveis por esses ganhos. Também agravam a situação o aumento do desemprego e a queda da renda das famílias, que terão como consequência a redução da qualidade dos alimentos consumidos. Albaneide participará do painel "Nutrição no Brasil", que ocorrerá na parte da manhã, e discutirá os desafios relacionados à Política Nacional de Alimentação e Nutrição.

O Brasil já mostrou ao mundo o que pode ser alcançado com excelência na pesquisa e a manutenção do comprometimento político para reduzir a fome. Mas agora se sabe que os sistemas alimentares precisam ser reposicionados, saindo da perspectiva de alimentar as pessoas para nutri-las. Assim, a agricultura precisa mudar seu foco para dietas de qualidade ao lado da produtividade.

O presidente da Embrapa e membro do Global Panel, Maurício Lopes, destaca o papel da pesquisa agropecuária nesse cenário: "Nos últimos 20 anos, a Embrapa se tornou líder mundial em pesquisas sobre agricultura sustentável e alimentação, oferecendo subsídios para apoiar políticas bem-sucedidas de redução da pobreza e desnutrição no Brasil". Ele completa: "Temos agora uma grande oportunidade para nos tornar líder global na oferta de dietas de alta qualidade, de forma a consolidar a Década para Ação em Nutrição das Nações Unidas", completa. Lopes fará a abertura do evento e, no fim do dia, lançará o documento "Food Environment Policy Brief", juntamente com os representantes do Global Panel, Emmy Simmons e Sandy Thomas.

As discussões ocorrerão no auditório Biomas da Sede da Embrapa, de 8h30 às 18h30, e também poderão ser acompanhadas pela Internet, pelo webstreaming http://aovivo.sede.embrapa.br/canal10/.

Os últimos encontros do Global Panel aconteceram em Londres, Inglaterra, e em Nova Delhi, na Índia, ambos em 2016. É a primeira vez que o Brasil sedia o evento. O próximo ocorrerá em Maputo, Moçambique, em junho de 2017.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Coeficiente de mortalidade
Mortalidade pelo novo coronavírus em Arapongas é quase o dobro de Londrina
22 SET 2020 às 20h54
Vale do Ivaí
Apucarana registra primeiro óbito por dengue do novo período epidemiológico
22 SET 2020 às 20h45
Boletim da pandemia
Londrina tem mais três mortes e 291 casos de Covid-19 confirmados
22 SET 2020 às 19h31
Boletim diário
Paraná divulga 2.165 confirmações e 39 mortes pela Covid-19
22 SET 2020 às 17h54
Boletim da pandemia
Maringá registra três novas mortes pela Covid-19 e 116 casos confirmados
22 SET 2020 às 16h28
Saiba mais
Cirurgia bariátrica pode afetar qualidade dos espermatozoides, diz estudo
22 SET 2020 às 10h45
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados