24/02/21
PUBLICIDADE

Trocar suplementos para hipertrofia por alimentos pode custar até sete vezes menos

Whey protein, albumina, maltodextrina... Quem usa suplementos para ganho de massa muscular sabe que a compra desses itens, muitas vezes, requer uma ginástica no orçamento. Em tempos de crise financeira, substituir os produtos por alimentos comuns da dieta pode proporcionar no bolso uma diferença de 354%, no caso daqueles à base de proteínas, ou de 669%, nos de carboidratos, sem comprometer os resultados. A saúde agradece: a troca permite o consumo de nutrientes importantes e reduz os riscos de alergia e intolerância aos aditivos e de sobrecarga para o organismo.

Divulgação
Divulgação


Apesar desses benefícios, suplementos ainda apresentam certa vantagem sobre alimentos em termos de efeito na hipertrofia, por conterem compostos isolados ou concentrados e oferecerem precisão na dosagem. Por isso, ao optar pela substituição, é essencial escolher bem qual será a fonte do nutriente, para que a equivalência seja a melhor possível, e contar com a orientação de um especialista.

De acordo com a nutricionista Natália Eudes, membro da Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva, cada proteína possui uma propriedade funcional (ação no corpo), e alimentos diferentes apresentam composições proteicas diferentes. Além disso, o teor de gordura influencia o aproveitamento do nutriente.

— Para ganho muscular, a proteína do soro do leite é superior, e a ricota é o queijo produzido a partir dela — diz.

Excesso é arriscado
Suplementos são indicados só em casos em que é preciso suprir uma demanda aumentada na dieta. Assim, devem ser usados sempre com prescrição. Segundo a nutricionista clínica e esportiva Andrea Zaccaro de Barros, presidente da Associação Brasileira de Nutrição Esportiva, esses produtos jamais podem substituir a alimentação balanceada.
— Fazer isso pode provocar carência de outros nutrientes, principalmente vitaminas e minerais — alerta.

Tomar suplementos sem comer corretamente é "jogar dinheiro fora", afirma o endocrinologista Alexandre Hohl, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. O excesso no consumo dessas substâncias pode sobrecarregar fígado e rins e lesionar os dois órgãos.

‘Estou livre do enjoo e me sinto mais saciada’
A assistente financeira Renata Goulart, de 23 anos, tomava whey protein hidrolisado, mas sentia muitos enjoos, mesmo trocando de marca. Há cerca de cinco meses, trocou o produto por ricota e claras de ovo. Agora, sente-se melhor.

— Falei com minha nutricionista sobre a possibilidade de substitui-lo por algum alimento compatível. Montamos uma dieta com menos suplementação e, além de me livrar do desconforto estomacal, agora me sinto bem mais saciada. Com o suplemento, parecia que estava sempre com fome. Em vez de 30g de whey misturados a 300mL de água, consumo uma fatia média de ricota e duas claras de ovo após malhar. Não deixei de ter progressos. A troca foi essencial para que eu continuasse com a dieta e o treino — conta.

(com informações dos site Extra)
Redação Bonde
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Boletim

Paraná registra mais 65 mortes e 4.449 casos de Covid-19; imunizados já são mais de 380 mil

24 FEV 2021 às 16h51
Covid-19

Maringá inicia estudos para compra de vacinas

24 FEV 2021 às 16h16
Boletim

Ibiporã registra mais duas mortes e 30 casos de Covid-19

24 FEV 2021 às 15h58
Saiba mais

Vacina da Johnson & Johnson é segura e eficaz, informa agência

24 FEV 2021 às 15h20
Não perca a live

Evento online debate situação da Covid-19 em Londrina

24 FEV 2021 às 13h58
Pandemia

Arapongas estende vacinação contra a Covid-19 aos profissionais da Saúde com 60 anos ou mais

24 FEV 2021 às 11h31
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados