Pesquisar

Canais

Serviços

Reprodução -
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Curcuma - Curcuma longa

Rui Cépil Diniz
11 nov 2006 às 17:28
Continua depois da publicidade

Aspectos agronômicos:

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Planta da família Zingiberaceae, nativa do Sudeste da Ásia e subcontinente Indiano. Cultivada atualmente na Ásia Suboriental, Índia, Jamaica, Haiti e Peru (Lowenfeld & Back, 1980).

Continua depois da publicidade


Nomes comuns: Açafrão da terra, açafrão da Índia, turmeric, ukon.


Erva anual, de clima temperado a subtropical. Tolera geadas. Não apresenta bom desenvolvimento radicular em regiões de altas temperaturas e alta umidade relativa do ar. Apresenta média exigência em umidade. Requer solos com textura média, friáveis, mas com boa retenção hídrica, com fertilidade mediana a alta e médio teor de matéria orgânica. O pH pode situar-se entre 4,5 e 6,5.


Propagação: Por rizomas, que devem ser enterrados de 10 a 15 cm de profundidade. Recomenda-se fazer o chegamento de terra junto as plântulas após a emergência.

Continua depois da publicidade


Espaçamento: 20 a 40 cm entre plantas X 50 cm entre linhas. O plantio deve ser feito nos meses de outubro a novembro nas regiões sul-sudeste e centroeste do Brasil.


Porte da planta: Atinge até 50 cm de altura. É planta de pleno sol.


Colheita: Os rizomas são colhidos quando a parte aérea começar a secar, geralmente após 7 a 9 meses.


Temperatura máxima de secagem de 60º C.


Rendimento: Pode produzir até 10 ton. de tubérculos/ha/ano.


Obs.: Pode ser usado inclusive no tratamento de lesões de pele em animais (Thakur et al. 1983).


Usos terapêuticos: Antiinflamatório, antifúngico, hepatoprotetor, colerético, colagogo, antisséptico, antiagregante plaquetário, digestivo, carminativo, cicatrizante, vermífugo, redutor do colesterol e da glicose.


Princípios ativos: Pigmentos fenólicos, curcumina e seus isômeros, sesquiterpenos, turmerona, Alfa e beta pineno, canfeno, limoneno, terpineno, cariofileno, linalol, borneol, cineol, polissacarídeos, glicídeos.


Partes utilizadas: Rizomas (tubérculos).


Formas de uso e dosagem: Uso interno: Decocção dos rizomas - 10 a 20 gr/litro de água;


Extratos secos ou fluidos, tinturas e pós;


Uso tópico: Decocção dos rizomas - 10 a 20 gr/litro de água.


Tempo de uso: Sem contraindicações ao uso prolongado na literatura consultada.


Efeitos colaterais: Altas doses de óleo essencial podem levar a neurotoxicidade e aborto.


Contra-indicações: Gravidez, lactação e crianças menores de 04 anos.


Lembramos, que as informações aqui contidas, terão apenas finalidade informativa, não devendo ser usadas para diagnosticar, tratar ou prevenir qualquer doença, e muito menos substituir os cuidados médicos adequados.

Fonte principal de consulta: ''Cultivo de plantas aromáticas e medicinais'' - IAPAR - Autor: Paulo Guilherme F. Ribeiro (Eng. Agr.); Co-autor: Rui Cépil Diniz (Médico)- Livro em fase de conclusão para publicação.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade