Pesquisar

Canais

Serviços

- Divulgação
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Tanacetum parthenium L. (Chrysanthemum parthenium L.)

25 jun 2007 às 17:28
Continua depois da publicidade

Aspectos botânicos: Planta herbácea perene, da família das Asteráceas, apresenta um talo piloso ereto, com altura entre 30 e 80 cm; folhas pecioladas, verde-amareladas, alternadas, com 3 a 7 pares de segmentos e inciso denteado; flores em grupos de até 30, linguadas, com um forte aroma ácido, e que aparecem durante o verão.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Natural da região dos Balcans (Grécia, Albânia, antiga Yugoslávia), espalhada por praticamente toda a Europa. O gênero Tanacetum compreende quase 70 espécies de plantas anuais e perenes, incluindo membros da família das margaridas.

Continua depois da publicidade


As abelhas são repelidas pelo tanaceto, não se recomendando portanto seu cultivo junto com espécies que necessitem da polinização apícola.


Nomes comuns: Tanaceto, crisântemo de jardim, matricaria, margaza, feverfew (Ingl), tannaise commune (França);


Histórico: O Tanaceto fez parte de rituais para celebração da Páscoa no Reino Unido, como erva purificadora depois do jejum da quaresma, assim como símbolo das ervas amargas da Páscoa dos Hebreus.

Continua depois da publicidade


O nome Tanacetum deriva do grego athanasia, que significa imortalidade, em alusão a duração das flores desta espécie. O termo parthenium vem da alusão do historiador grego Plutarco, que relatou que um dos construtores do Parténon, curou-se de uma intensa cefaléia com esta espécie.


Antigamente foi muito empregado para tratar a febre, assim como processos reumáticos, cólicas menstruais, epigastralgias, tonturas e picadas de insetos.


Em 1655, John Goodyear realizou a primeira tradução do livro de Dioscórides, escrito no século I na Grécia, onde o Tanaceto era mencionado por sua utilidade em casos de melancolia e dores de cabeça.


No século XIX, seu emprego foi aconselhado por médicos americanos para promover a menstruação e tratar os sintomas psíquicos da TPM (tensão pré-menstrual). A partir de 1980, diversos estudos sobre seu mecanismo de ação foram publicados em diversas revistas médicas de respeito, como ‘The Lancet’ e ‘British Medical Journal’.


Usos terapêuticos: Especialmente indicado em casos de enxaqueca, como preventivo nas inter-crises, reduzindo a freqüência e a intensidade das mesmas, melhorando inclusive os sintomas neurovegetativos, como náuseas, vômitos, tonturas, etc, por meio de vários mecanismos de atividade (espasmolítica, serotoninérgica, inibidora da agregação plaquetária), atuando ainda como anti-hipertensivo, anti-espasmódico, sedativo leve.


Princípios ativos: Óleos essenciais (0,2 a 0,6%), responsáveis pelo seu forte aroma (alfa-pineno, ácido cóstico, alcanfor, beta-farnesina); lactonas sesquiterpênicas (crisantemonina e partenólido e derivados, como hidróxi-partenólido, artemorina, canina, santamarina (balcanina); ácidos fenólicos, flavonóides, princípios amargos, fitosterina, ácido tânico, ácido antêmico e derivados acetilênicos na raiz.


Partes utilizadas: Partes aéreas.


Formas de uso e dosagem: Infusão da planta fresca a 2% - 2 a 3 xícaras/dia (sabor desagradável e picante); extrato seco padronizado com o mínimo de 0,1 a 0,2% de partenólidos : 200-500 mg até 3X/dia.


Tempo de uso: Permite o uso prolongado desde que de forma descontínua, pois não pode ser considerada totalmente isenta de efeitos colaterais à longo prazo.


Efeitos colaterais: Dermatites de contato, dor abdominal e úlceras de mucosa oral com o uso da planta fresca; doses muito elevadas e por tempo prolongado podem levar a convulsões.


Contra-indicações: Gestação e lactação; crianças menores de dois anos; pacientes em uso de anti-coagulantes.


Lembramos, que as informações aqui contidas, terão apenas finalidade informativa, não devendo ser usadas para diagnosticar, tratar ou prevenir qualquer doença, e muito menos substituir os cuidados médicos adequados.


Fontes principais de consulta: ‘Tratado de fitomedicina - bases clínicas e farmacológicas’ Dr. Jorge R. Alonso - editora Isis . 1998 - Buenos Aires - Argentina.

RUI CÉPIL DINIZ é médico especialista em Fitomedicina e Saúde da Família, responsável pelo Programa Municipal de Fitoterapia (e-mail: [email protected] e telefone: 43-3321-0652).


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade