Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Após morte

Michael Jackson volta a liderar parada britânica

BBC Brasil
29 jun 2009 às 08:23
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Michael Jackson voltou a liderar neste domingo (28) as paradas na Grã-Bretanha, seis anos após ter chegado pela última vez ao posto de mais vendido no país. Seis discos do cantor estão entre os 40 mais vendidos.

Lançada em 2003, a coletânea Number Ones pulou da 121ª para a 1ª posição na lista dos mais vendidos no mercado britânico com o aumento da procura após a morte do cantor, na quinta-feira.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O mesmo álbum havia sido o último de Michael Jackson a figurar no topo das paradas britânicas, em 2003.

Leia mais:

Imagem de destaque
Desânimo

Silvio Santos desiste de voltar às gravações de seu programa no SBT

'Já estou de volta'

Anitta tem alta hospitalar após infecção alimentar

No Spotify

Will Smith homenageia filho por sucesso da música 'Icon'

Revolta

Tom Brady abandona entrevista após se irritar com comentário sobre sua filha


Segundo a Official Charts Company, que cataloga as vendas de discos no país, Thriller, o disco mais vendido da história no mundo, pulou da 179ª para a 7ª posição, King of Pop alcançou a 14ª, Off The Wall chegou à 17ª e The Essential Michael Jackson está em 20º.

Publicidade


Entre os 200 mais vendidos, há 11 discos de Michael Jackson ou do grupo Jackson Five.


Singles

Publicidade


Na parada de singles, Michael Jackson responde por 43 das 200 músicas mais vendidas.


No total, foram vendidos mais de 300 mil discos do cantor, entre álbuns e singles, em apenas dois dias da última semana.

Publicidade


Gennaro Castaldo, da cadeia de lojas de discos HMV, disse à BBC que a demanda estimada para os álbuns de Michael Jackson é agora 80 vezes maior do que no dia anterior a sua morte.


"Assim que anunciaram a morte, as pessoas vieram para nossas lojas e tivemos grandes filas", disse Castaldo.

"Por sorte, tínhamos um grande estoque porque estávamos nos preparando para os shows na O2 Arena (que aconteceriam a partir de julho, em Londres), mas lamentavelmente não esperávamos vendê-los por essa razão", disse.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade