Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Carta para Beto Richa e administradores públicos

31 dez 1969 às 21:33
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Navegando no blog de um amigo jornalista, determinado post sobre a mais recente viagem de Beto Richa, prefeito desta nossa Curitiba, fez-me vir a tona lembranças recentes e indignações constantes.

Escrevi lá como jornalista, mãe, cidadã, curitibana, brasileira.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Para não encompridar:

Leia mais:

Imagem de destaque

Já ouvi esse papo antes. E cai no vazio

Imagem de destaque

Teu corpo não te pertence

Imagem de destaque

Bonitas de verdade: moça de nariz grande e olhar vivo

Imagem de destaque

Quem são as mulheres bonitas de verdade?


Manhattan, NY, não tem trânsito caótico como aqui. Lá, muita gente não tem carro, nem quer ter, nem precisa. Anda-se a pé, de bike, vai-se de metrô e bus para todo lugar. Gente que teria poder aquisitivo pra ter um carro prefere não ter. Pegam metrô de terno, gravata, tênis e mochilas, e botam sapato quando entram no escritório. Caminham pela cidade onde vivem.

Publicidade


Aqui, o povo curitibano se mata para comprar um carro, se endivida em mil parcelas e juros e faz a alegria da indústria automobilística. Nego troca de carro, e exibe carrão, se precisar - mas passa fome em casa. (fome de comida, cultura, educação, entendam como quiserem).


Aqui, na cidade administrada por Beto Richa - que um dia, vai longe, já foi exemplo de transporte coletivo - agora o carro é que manda, o pedestre que se dane. Motoristas cada vez mais arrogantes e sem educação, e que se atropelem os velhos e as crianças, danem-se eles, não é?

Publicidade


Aqui, a cidade é planejada para os automóveis, as modificações urbanas servem para atender os donos de carros.


Beto Richa, venha ver bem de pertinho o que sua administração fez com essa porcaria de binário mal-ajambrado e mal-acabado da Mario Tourinho / Heitor Guimarães. Zero espaço para pedestres, nada de facilidade para caminhar, circular a pé ou de bicicleta. Ao contrário. Atravessar as ruas por aqui é risco alto. Atropelamentos? Toda semana. Direto. Virou rotina. Barulho de freadas em alta velocidade é a música que embala a vizinhança.

O restante do texto, com o post do Zebeto e outros comentários, aqui.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade