13/08/20
31º/15ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Thiago Caversan Antunes
Thiago Caversan Antunes
27/05/2020 - 11:15
Imprimir Comunicar erro mais opções
Olá, pessoal!
Tudo bem?
A receita de hoje é um macarrão razoavelmente diferente.
A ideia é utilizar shimeji e ervilhas, em um molho que leva shoyu e creme de leite.
O resultado é bastante interessante.
Antes de começar, desenrame o shimeji, um por um, porque isso é fundamental para que o molho funcione ao final.
Vamos lá!


Ingredientes:

200g de macarrão
200g de shimeji branco desenramado
1 lata de ervilhas em conserva
1 caixinha de creme de leite
1/2 cebola em cubinhos
shoyu
sal temperado
aji-nomoto
óleo
óleo de gergelim torrado


Modo de Fazer:

Coloque uma panela com água e uma colher (chá) de sal para ferver e cozinhar o macarrão, até ficar al dente.

Refogue a cebola em um fio de óleo comum (eu uso óleo de canola), com gotas de óleo de gergelim torrado (para dar aroma).

Quando a cebola estiver dourada, junte o shimeji já desenramado, um fio de shoyu e aji-nomoto, e deixe cozinhar. O cogumelo vai soltar um pouco de água, deixe essa água reduzir, enquanto mexe às vezes.

Quando a água do shimeji tiver quase secado, junte a ervilha, com o caldo da conserva, e deixe cozinhar por três minutos.

Apague o fogo, junte o creme de leite, mexa bem para deixar homogêneo e, caso necessário, acerte o sal.

Distribua o molho sobre o macarrão e sirva imediatamente.



É isso aí, pessoal!
E fica realmente muito bom!
Algumas observações...
Nós utilizamos macarrão tipo fusilli, que é o que tínhamos na hora, mas imaginamos que também deve ficar muito interessante com tagliatelle.
Andamos utilizando um shoyu importado que não leva milho na receita - e o efeito é realmente notável. Em Londrina, você pode encontrar no Mercadão Shangri-lá.
Como sempre, estão todos convidados a participar, inclusive enviando suas próprias receitas e dicas, que a gente edita e traz para cá, sempre dando os devidos créditos.
Para ver outras receitas, dê uma olhadinha no nosso índice e também curta nossa fanpage para ficar acompanhar as novidades e outros conteúdos que compartilhamos apenas por lá mesmo.
Um grande abraço a todos e "inté",

Thiago "Virgulino"
04/05/2020 - 15:15
Imprimir Comunicar erro mais opções
Olá, pessoal!
Tudo bem?
Andamos um tanto ausentes, por conta de uma série de projetos pessoais, que envolveram o nascimento de mais um filho e também um... doutorado em Direito!
Agora, com as coisas um pouco melhor organizadas e aproveitando esses dias de isolamento social, vamos retomar a nossa diversão com a gastronomia!
Para comemorar, vou dividir uma receita de caipirinha desenvolvida ao longo do tempo, que eu chamo carinhosamente de "caipira do caipira" (o caipira sou eu mesmo, no caso).
É uma receita especial, principalmente porque me traz muitas boas memórias. Comecei a aprender com o meu avô paterno, que não está mais entre nós, aprendi melhor com o meu pai, e elaborei em memoráveis festas com os amigos de faculdade!
Vamos lá!


Ingredientes:

1 limão taiti
2 colheres (sopa) rasas de açúcar cristal
gelo
cachaça


Modo de Fazer:

Lave bem o limão e seque.
Corte as pontas e descarte.
Utilizando uma faca bem afiada, corte o restante do limão em rodelas o mais finas possível.
Coloque as fatias de limão em um copo alto, adicione o açúcar e soque bem (eu costumo utilizar a própria colher para isso), para espremer o limão.
Junte gelo até o alto do copo, complete com cachaça de boa qualidade, mexa bem com a colher para dissolver o açúcar.
Está pronto!



E fica realmente muito interessante, pessoal!
Tem gente que fica com "pena" de derramar cachaça boa em uma caipirinha, mas, como sempre, a qualidade dos ingredientes influencia diretamente a qualidade do resultado.
Quando for escolher o limão, prefira os de casca mais lisinha, porque são melhores de caldo.
Há quem prefira descascar o limão e/ou retirar o miolo branco dele. Eu, pessoalmente, acredito que tudo ajuda no sabor final - e quando cortamos as fatias finas, o "amargo" acaba evaporando.
Como sempre, estão todos convidados a participar!
Enviem suas próprias receitas e truques que a gente edita e traz para cá!
Para ver outras receitas, dê uma olhadinha no nosso índice e também curta nossa fanpage para ficar acompanhar as novidades e outros conteúdos que compartilhamos apenas por lá mesmo.
Um grande abraço a todos e "inté",

Thiago "Virgulino"
15/11/2018 - 20:55
Imprimir Comunicar erro mais opções
Olá, pessoal!
Tudo bem?
Quanto tempo!
Nós voltamos com uma receita deliciosa de sunomono!
O sunomono é aquela conserva de pepino que é servida como entrada em restaurantes japoneses.
Nós demoramos um tanto até conseguir chegar ao sunomono que queríamos, e agora dividimos com todos a técnica!
Vamos lá!



Ingredientes:

1 pepino japonês
1 colher (sopa) bem cheia de sal fino
1 colher (sopa) de gergelim
2 colheres (sopa) de açúcar cristal
3 colheres (sopa) de vinagre branco (preferencialmente de arroz)
2 bastonetes de kani kama (opcional)


Modo de Fazer:

Lave bem o pepino, seque e corre em rodelas bem finas. Para isso, nós usamos um cortador de batatas.

Em uma vasilha, misture bem o pepino e o sal. Transfira para um escorredor de macarrão e aguarde por 20 minutos.

Enquanto isso, torre o gergelim em uma panela, até ficar bem dourado, e dissolva o açúcar no vinagre em outra panela, mexendo bastante até derreter.

Enxague levemente o pepino para tirar o excesso de sal, aperte bem no escorredor e transfira para uma vasilha, misturando bem com o gergelim e a mistura de açúcar e vinagre. Misture também o kani kama cortado em pedacinhos, caso decida utilizar.

Feche a vasilha, leve à geladeira e deixe por pelo menos 30 minutos.

Está pronto!


E fica realmente muito gostoso!
Você pode multiplicar a receita, para fazer para várias pessoas ou para vários dias.
Também é possível imaginar uma série de variações interessantes. O pessoal da Nipopesca, por exemplo, faz um delicioso sunomono com lascas de polvo pré-cozido.
É isso aí, pessoal!
A vida anda um tanto corrida, e não é por falta de boa vontade que o site não tem sido atualizado mais frequentemente.
De toda forma, como sempre, estão todos convidados a participar!
Um abração e "inté"!

Thiago "Virgulino"
05/01/2018 - 16:30
Imprimir Comunicar erro mais opções
Olá, pessoal!
Tudo bem?
A receita de hoje é de um tender!
O tender é, no fundo, um pernil defumado de porco - uma espécie de presunto, no final das contas.
Você, geralmente, pode comprar tenders já desossados (chamados, muitas vezes, de "bolinha), pré cozidos e temperados - mas também pode conseguir tenders ainda com osso (o que deixa a carne mais suculenta) e fazer o seu próprio tempero.
Hoje ensinamos como preparar o tender bolinha no forno, acompanhado de um molho especial, que garante um contraste interessantíssimo de sabores.
A boa notícia é que, nessa época do ano, passadas as festividades de natal e réveillon, você encontrará tenders com excelentes preços sem muita dificuldade.
Vamos lá!

Ingredientes:

1 tender
600ml de suco de laranja
1 colher de gengibre fresco ralado finamente
2 colheres (sopa) bem cheias de açúcar
5 colheres (sopa) de vinagre balsâmico
15 cravos da índia
suco de 1 limão
casquinha de 1/2 limão (apenas a parte verde, fatiada finamente) ferventada

Modo de Fazer:

Coloque todos os ingredientes, com exceção do tender, em uma panela (preferencialmente que não seja de alumínio, nem de ferro, para preservar a cor), e deixe ferver, mexendo às vezes, até "dar ponto". Reserve.

Faça cortes superficiais no tender, para formar quadrados de aproximadamente 1cm de lado. Coloque em uma travessa ou assadeira não muito grande, envolto em papel alumínio. Adicione o molho e feche (você pode fazer uma "tampa", para facilitar depois). Leve ao forno pré-aquecido em fogo médio-baixo, por 40 minutos; vire o tender e deixe no forno por mais 20 minutos.

Tire o tender do forno e recolha o molho na "trouxinha" de papel alumínio. Fatie o tender e sirva acompanhado do molho.

Você também pode decorar o tender fatiado com frutas em calda, ou com tomates ao forno, por exemplo.


É isso aí, pessoal!
Você pode substituir o açúcar do molho por mel também, e fica bastante interessante.
Também é possível testar ervas aromáticas nesse molho (como alecrim, por exemplo).
Uma dica importante (e que serve para muitos pratos) é a seguinte: você deve sempre utilizar o lado "espelhado" do papel alumínio para dentro, deixando a parte "fosca" para fora. Isto, porque o lado "espelhado" ajuda a concentrar o calor lá dentro do embrulho.
Como sempre, estão todos convidados a participar.
Para ver outras receitas e resenhas, dê uma olhada no nosso índice, e também curta nossa fanpage para ficar sempre a par das novidades que trazemos para cá, e de outras notícias, sugestões e curiosidades que compartilhamos diariamente apenas por lá mesmo.
Um abração e "inté",

Thiago "Virgulino"
04/09/2017 - 11:00
Imprimir Comunicar erro mais opções
Olá, pessoal!
Tudo bem?
Nem vamos mais explicar as prolongadas ausências e nem tentar prometer uma frequência qualquer de postagens.
Quando dá, a gente aparece por aqui!

O post de hoje é uma resenha (como sempre, nossas impressões pessoais, apenas) sobre um lugar que conhecemos meio por acaso e que consideramos interessante, o Mexicolombia!


Passamos sempre ali pela frente, e o lugar já parecia muito agradável - um daqueles barzinhos que a gente às vezes encontra na beira do mar!
Pensando na possibilidade de que o restaurante trabalhasse com o famoso "arroz de coco", bem tradicional da Colômbia, decidimos parar lá no começo de uma noite de domingo.
O ambiente é simples, mas decorado com objetos típicos interessantes e as mesas externas, como já dissemos, lembram mesmo aqueles barzinhos de praia onde é tão gostoso parar para uma cerveja no final da tarde.



O menu tem opções colombianas e mexicanas de porções individuais, e os preços abaixo são de setembro de 2017.



Nesta nossa primeira visita, decidimos provar os burritos (tradicional lanche mexicano, consistente em tortillas enroladas e recheadas; no caso do Mexicolombia o recheio é a base de carne e frango); e o patacón mixto (uma base de massa de banana verde frita, coberta por um recheio de carne e frango, com abacaxi em cubos, queijo e um molho especial); tudo muito gostoso!



A conta, para quatro pessoas, totalizou R$ 114,00 - aí incluídas quatro porções individuais, duas cervejas de 600ml (que não estão no cardápio, mas que o pessoal da casa providencia se você perguntar) e a taxa de 10% (que é opcional).
A casa é administrada em família. Inicialmente, fomos atendidos pelo Camilo, que explicou com calma cada um dos pratos do cardápio e tudo mais. A cozinha é administrada pelo pai dele, o Sebástian, que depois também foi conferir se estava tudo certo e se a comida e o serviço tinham agradado. Ambos são muito atenciosos e simpáticos.
O Mexicolombia fica localizado em Londrina-PR na Rua Guararapes, 251, e funciona de terça a sexta-feira no almoço (das 11:00 as 15:00h) e no jantar (das 17:00 as 22:00h), e aos sábados e domingos das 11:00 as 23:30h. O telefone para contato é (43) 3301-6605. Durante o dia, também funciona uma padaria colombiana, que conta com pães e doces especiais, e com o café colombiano, conhecido mundialmente pela qualidade diferenciada.


O restaurante não tem estacionamento próprio, mas também não é difícil encontrar lugar para parar por ali. Não há espaço kids, mas ficamos em uma mesa bem espaçosa e a nossa pequena gostou bastante do recheio do patacón. A casa aceita cartões de crédito.

É isso aí, pessoal!
Esperamos que a resenha seja útil para quem estiver procurando informações sobre o lugar, e que mais gente se anime a conhecer esse pedacinho da América Latina aqui em Londrina.
Como sempre, estão todos convidados a participar, inclusive com material próprio que a gente edita e traz para cá, sempre dando os respectivos créditos.
Para ver outras resenhas e receitas, explicadas passo a passo, dê uma olhada no nosso índice, e também confira nossa fanpage para ficar sempre a par das novidades que trazemos para cá, e também de outras notícias que compartilhamos apenas por lá mesmo, bem mais frequentemente.
Um abração e "inté",

Thiago "Virgulino"
Thiago Caversan Antunes
 
Paulista radicado em Londrina desde o ano 2000. Graduado em Direito, especialista em Direito Civil e Processo Civil e mestre em Direito Negocial. Professor universitário e advogado. Autor de diversos artigos e capítulos de livros. Tem a gastronomia como hobby, e criou, em 2012, com a colaboração de sua companheira, Dani Manfiolli, o blog "Cozinha do Virgulino", onde divulga receitas explicadas "passo a passo" e resenhas sobre bares, restaurantes, vinhos, ingredientes e técnicas culinárias.



ARQUIVO
Mês
Ano
AVISO: Opiniões e informações contidas nos blogs hospedados nesta plataforma são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem os valores do Portal Bonde.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados