Pesquisar

Canais

Serviços

PixAbey
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Afastamento do trabalho à comissária de bordo gestante e concessão de benefício de incapacidade temporária

20 dez 2021 às 13:52
Continua depois da publicidade

DiA Turma Regional Suplementar de Santa Catarina do TRF da 4ª Região decidiu, por unanimidade, confirmar a concessão do benefício por incapacidade temporária a uma comissária de voo de 32 anos de idade da Azul Linhas Aéreas Brasileiras afastada de sua função no período de gravidez.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Segundo o colegiado, o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil prevê que em se tratando de segurada aeronauta comissária de voo, a gravidez, por si só, impõe o reconhecimento da incapacidade para o exercício da atividade profissional.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Todavia, no caso em questão, mesmo a mulher tendo sido considerada pela companhia aérea como não apta ao exercício da função, o INSS negou o auxílio na via administrativa, sustentando que a gravidez isoladamente, por não se tratar de doença ou acidente, não justificava a concessão de benefício por incapacidade laboral.

De forma contrária, o Des. Fed. PAULO AFONSO BRUM VAZ, relator do caso, destacou no voto que a gestação, exceto quando de risco, em regra não enseja a concessão de benefício de auxílio por incapacidade temporária. No entanto, estando comprovado que a autora é empregada na função de comissária de voo; que o Regulamento Brasileiro de Aviação Civil 67 estipula que, na ocorrência de gravidez, a candidata ou tripulante será considerada não apta para a função e deverá ser afastada e que a autora comprovou, mediante atestado médico, que se encontrava gestante.

O magistrado ainda concluiu que de acordo com o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil, em se tratando de segurada aeronauta comissária de voo, categoria que exige um Certificado Médico Aeronáutico (CMA) de 2ª Classe, a gravidez, por si só, impõe o reconhecimento da incapacidade para o exercício da atividade profissional. Por isso, foi reconhecido o direito ao benefício de auxílio por incapacidade temporária desde a data do requerimento administrativo até o dia anterior ao parto.gite aqui seu texto...

Continue lendo