Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Desigualdade social

Brancos recebem mais do que negros por hora de trabalho no Brasil

Leonardo Vieceli - Folhapress
06 dez 2023 às 12:20
- Pixabay
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Brancos receberam em média R$ 20 por hora de trabalho no Brasil em 2022, quantia 61,4% maior do que a de pretos ou pardos (R$ 12,4). É o que apontam dados divulgados nesta quarta-feira (6) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

Essa diferença até já foi maior, mas vem caindo de forma considerada lenta pelo órgão. No início da série histórica, em 2012, brancos recebiam 69,8% a mais do pretos ou pardos por hora de trabalho.

Leia mais:

Imagem de destaque
Aposta simples a R$ 5

Mega-Sena acumula e premiação vai a R$ 97 milhões na quinta-feira (22)

Imagem de destaque
Texto voltará à Câmara

Senado aprova projeto que acaba com saidinha de presos

Imagem de destaque
Multa de R$ 4 mil

Motociclista de aplicativo é condenado por litigância de má-fé em processo contra posto de gasolina

Imagem de destaque
'Homem apaixonado pelo Brasil'

Presidente Lula lamenta a morte de empresário Abílio Diniz


As informações integram a Síntese de Indicadores Sociais. A publicação analisa estatísticas de fontes como a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), também produzida pelo IBGE.

Publicidade


"De 2012 a 2022, em 11 anos, a série pouco se alterou. Esse retrato [de desigualdade] permanece", afirma João Hallak, analista da síntese do instituto.


Imagem
Concorrência para cursos de medicina no Brasil despenca em oito anos
A concorrência para ingresso em cursos de medicina no país caiu pela metade de 2014 a 2022. No período, a relação de candidatos por vaga foi de 46,5 para 20,4.


Os dados tratam do rendimento por hora de todos os trabalhos das pessoas ocupadas. De acordo com o IBGE, a desigualdade dos ganhos permanece nos diferentes níveis de escolaridade.

Publicidade


A maior diferença ocorre na camada da população com ensino superior completo. Nesse grupo, a renda por hora dos brancos (R$ 35,3) superou em 37,6% a dos pretos ou pardos (R$ 25,7) em 2022.


Diferentes pesquisas do IBGE já sinalizaram que historicamente a população negra enfrenta dificuldades para conseguir oportunidades de trabalho com maior remuneração. Em razão disso, a informalidade muitas vezes vira a saída para essa parcela dos brasileiros.


Em 2022, a proporção de informais entre mulheres pretas ou pardas (46,8%) e homens pretos ou pardos (46,6%) superava a média dos ocupados (40,9%), segundo os dados divulgados nesta terça. Mulheres brancas (34,5%) e homens brancos (33,3%) tinham taxas menores.


Imagem
Paraná lidera geração de trabalho para mulheres no Sul
O Paraná foi o estado da região Sul que mais gerou empregos para mulheres de janeiro a outubro de 2023.
Receba notícias do Bonde no Whatsapp/Telegram e fique por dentro de tudo!
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade