Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Abaixo da média nacional

Índice de desemprego do Paraná chega a 4,8% em 2023, menor taxa anual desde 2014

Redação Bonde com AEN
16 fev 2024 às 16:04
- Ari Dias/AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O índice de desemprego do Paraná de 2023 atingiu o menor nível desde 2014, com a taxa de 4,8%, superando o ano anterior, que fechou com 6%. O resultado foi divulgado nesta sexta-feira (16), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) através da PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua). 


O resultado ainda ficou abaixo da média nacional, que registrou 7,8% no ano passado, deixando o estado com a quinta melhor taxa do país, ficando atrás apenas de Rondônia (3,2%), Mato Grosso (3,3%), Santa Catarina (3,4%) e Mato Grosso do Sul (4,7%). 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Já no trimestre encerrado em dezembro, a taxa de desocupação ficou em 4,7% no Estado, mantendo-se estável em relação ao trimestre anterior, que era de 4,6%. O índice ficou mais baixo na comparação ao quarto trimestre de 2022, quando a taxa de desemprego era de 5,1%. Mais uma vez, o resultado do Paraná é melhor do que a média nacional, que teve um índice de 7,4% nos últimos três meses do ano.

Leia mais:

Imagem de destaque
Evolução do estado

Paraná tem a quarta menor desigualdade de renda do Brasil, aponta pesquisa do IBGE

Imagem de destaque
Aquecimento global

Mudanças climáticas podem reduzir renda global em 19% até 2049

Imagem de destaque
Desigualdade

IBGE: 10% mais ricos ganham 14,4 vezes a renda dos 40% mais pobres no Brasil

Imagem de destaque
CNPJ no vermelho

Paraná tem o maior número de empresas inadimplentes na região Sul


Segundo a PNAD Contínua, o Estado tem 9,62 milhões de pessoas em idade para trabalhar, com 14 anos ou mais. Dentro deste resultado, 6,24 milhões de pessoas compõem a chamada força de trabalho, que são aquelas que estão trabalhando ou procurando emprego. Entre estas, 5,95 milhões de pessoas estão ocupadas, o maior número da história.

Publicidade


“Os bons índices econômicos do Paraná se refletem no mercado de trabalho, com o IBGE demonstrando mais uma vez que o Estado está em pleno emprego, quando há praticamente mais vagas disponíveis do que gente para trabalhar, o que é um bom problema para se resolver”, afirma o governador Carlos Massa Ratinho Junior.


O volume de pessoas desocupadas somou 294 mil trabalhadores, que são aqueles que estão fora do mercado de trabalhado, mas buscam por uma ocupação. Já a população fora da força de trabalho, que não está trabalhando nem atrás de emprego, é de 3,37 milhões de pessoas.

Publicidade


O Paraná também atingiu, no quarto trimestre de 2023, o maior contingente de empregados no setor privado na série histórica do IBGE, iniciada no primeiro trimestre de 2012. São 3,28 milhões de pessoas, 30 mil a mais que nos três meses anterior e 99 mil a mais se comparado ao quarto trimestre de 2022.


Entre estas, 2,68 milhões têm carteira assinada, 81,7% do total e também o maior número da série histórica. Com esse índice, o Paraná é o terceiro estado com a maior taxa de pessoas em empregos formais no Brasil, com os três estados do Sul liderando a contratação com carteira assinada no setor privado. Em Santa Catarina, o percentual é de 88,2% e no Rio Grande do Sul é 81,9%, enquanto a média nacional é de 73,7%.


O número de trabalhadores no setor público no Paraná chegou a 603 mil pessoas no último trimestre. Já 1,87 milhão de trabalhadores estavam ocupados informalmente no período.


A taxa de subutilização também está em queda, chegando a 10% nos últimos três meses do ano, o menor índice da década. São 644 mil pessoas subutilizadas na força de trabalho ampliada, o que inclui as pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação à força de trabalho ampliada.


Imagem
Denúncia contra Mara Boca Aberta vai seguir para o plenário da Câmara de Londrina
O prazo para a vereadora Mara Boca Aberta (sem partido) apresentar defesa contra a denúncia que enfrenta na CML (Câmara Municipal de Londrina) terminou nesta quinta-feira (15) e, com isso, o assunto será deliberado pelo plenário da Câmara.
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade