Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Coluna Inovação

Internacionalização de startups: o caso Fitovisio

Lucas V. de Araujo*
25 out 2021 às 12:07
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Internacionalizar significa levar produtos ou serviços inovadores de uma firma para fora do país de origem. Este é o sonho de muitas startups e empreendedores pelo mundo, mas poucos são aqueles que atingem esse objetivo.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

A Fitovisio de Londrina já começou esse processo há quase um ano, quando iniciou testes na Itália, Argentina e Paraguai. A proposta de valor da startup é gerenciar e automatizar dados de experimentos em campo, os quais são usados para registro de novos defensivos agrícolas, por exemplo.

Leia mais:

Imagem de destaque
Veja detalhes

Banco Central lança moeda comemorativa por 200 anos de Constituição

Imagem de destaque
Entenda!

Bancos fazem mutirão de negociação de dívidas até 15 de abril

Imagem de destaque
Anote essas dicas

Comprou, financiou ou vendeu imóvel em 2023? Saiba como declarar no Imposto de Renda

Imagem de destaque
Crescimento

Empresa paranaense de cosméticos cresce 30,5% e fica mais perto da liderança do setor


Focada em atender empresas, cooperativas, universidades e outras organizações do setor agrícola, a Fitovisio tem no software Syslaudo seu carro-chefe, criado há quatro anos e responsável em boa parte pelos bons resultados já alcançados. A startup atingiu o Break Even Point, isto é, equilibrou receitas e despesas, em 2017, já tem 4 funcionários dedicados exclusivamente à empresa e reforçou a gestão com novos sócios.

Publicidade


A última a se integrar à equipe foi Sheila Valêncio, com graduação, mestrado e doutorado em Agronomia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). O time de sócios, aliás, conta com mais um doutor em Agronomia, dois profissionais de Tecnologia da Informação e da Comunicação (T.I.C) e o professor Marcelo Canteri da UEL como mentor.


Com tantos bons profissionais envolvidos no desenvolvimento de inovação para o campo, não é de se estranhar a internacionalização da Fitovisio em tão pouco tempo. A startup ainda aguarda os resultados dos testes realizados para fora do Brasil para consolidar a presença em terras estrangeiras. Enquanto isso, investe em inovação. Dentre as frentes de trabalho estão a criação de novos programas de computador para avaliação automatizada por drones.

Publicidade


O século XXI trouxe desafios enormes para organizações e pessoas. Na atividade agrícola, não basta produzir muito, é preciso ser eficiente. Da mesma forma, não é adequado ser eficiente sem respeitar o meio ambiente e as pessoas. Como se isso não fosse suficiente, ainda é preciso lidar com outros problemas em nível micro e macro, como falta de mão de obra capacitada, sucessão familiar, pandemias, planos econômicos ruins, escassez hídrica...


Para lidar bem com tudo isso e ainda desenvolver inovação só mesmo empresas com mentes muito capacitadas. Exclusividade de pessoas com título de doutorado? Não! Diplomas não asseguram certas capacidades e competências, mas cientistas trabalhando em conjunto com outros bons profissionais podem produzir tecnologias que mudem o mundo. Olhe o exemplo das vacinas para Covid. As que existem, assim como aquelas em desenvolvimento, foram criadas por cientistas que trabalham em empresas privadas e realizam parcerias com universidades. No caso do Brasil, basicamente instituições públicas.


A Fitovisio está incubada na UEL, onde tem acesso a pessoas e informações que são fundamentais para o desenvolvimento da empresa, como a tão desejada internacionalização. Que ela venha o quanto antes e junto com ela novas tecnologias para a agricultura do futuro ;)


*Lucas V. de Araujo: PhD e pós-doutorando em Comunicação e Inovação (USP). Professor da Universidade Estadual de Londrina (UEL), parecerista internacional e mentor Founder Institute. Autor de “Inovação em Comunicação no Brasil”, pioneiro na área.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade