Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Avaliação dos sindicatos

PDV da Copel é 'alento a alguns empregados' da empresa privatizada

Luís Fernando Wiltemburg - Redação Bonde
28 ago 2023 às 18:32
- José Fernando Ogura/AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Presidente do Sindenel (Sindicato dos Eletricitários de Curitiba) e coordenador do Coletivo Majoritário Sindical da Copel, Alexandre Donizete Martins considera que o PDV (Plano de Demissão Voluntária) da ex-estatal, que teve início nesta segunda-feira (28), “traz um alento para alguns empregados” que se sintam eventualmente ameaçados com a transmissão do controle para a iniciativa privada.


O alento a “alguns empregados” se justifica pelo motivo de que nem todos poderão aderir – há um limite máximo de R$ 300 milhões orçados pela empresa a título de indenizações. A Copel tem, atualmente, mais de 5,8 mil funcionários, representados por 19 sindicatos diferentes.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Imagem
Após privatização, começa nesta segunda plano de demissão da Copel
Após ser privatizada pelo governador Ratinho Junior (PSD), a Copel iniciou, nesta segunda-feira (28), um PDV (programa de demissã


Martins afirma que a luta sindical  busca a garantia de postos de trabalho e a manutenção dos benefícios conquistados ao longo de décadas. “Mas isso não ocorre, tanto que dentro da Copel tem benefícios que já foram afastados. E demissões acontecem em qualquer situação em que uma empresa é privatizada, como ocorreu com a Eletrobras”, exemplifica. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Dicas de planejamento

Saiba como se preparar para uma viagem aos EUA com o dólar em alta

Imagem de destaque
Para nascidos em julho e agosto

Governo libera R$ 4,5 bilhões para pagar PIS/Pasep de junho

Imagem de destaque
Veja os números

Mega-Sena 2736 acumula e premiação vai a R$ 47 milhões no sábado (15)

Imagem de destaque
Cerca de cinco gerações

Mundo levará mais 134 anos para atingir paridade entre mulheres e homens, diz Fórum Econômico Mundial


Outra preocupação é em relação à Fundação Copel, que controla os planos de saúde e de previdência privada dos trabalhadores, que poderia acabar extinta. A empresa garantiu a manutenção por, pelo menos, mais três anos.

Publicidade


O PDV foi inserido dentro do ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) que os sindicatos representantes de categorias negociam com os empregadores para garantir benefícios e direitos conquistados. “Acredito que só conseguimos estabelecer esse pacto junto à empresa porque o comunicado sobre as vendas das ações saiu no fim de novembro, quando ainda estávamos negociando o acordo coletivo, que deveria ter sido fechado em outubro”, recorda.


Diante do anúncio, as negociações foram fechadas, conversas com autoridades políticas foram travadas e a negociação foi retomada, garantindo o plano de demissão voluntária.


Entretanto, Martins não esconde preocupação com possível queda de qualidade nos serviços prestados pela Copel, que são referência sul-americana, e um impacto negativo na tarifa de energia elétrica, assim como nos planos específicos para o campo. “A Copel sempre é premiada pela qualidade dos serviços, o que é um atrativo para empresas. Indústria não investe onde o sistema de distribuição de energia elétrica é falho. Além disso, a tarifa da Copel é a 52ª mais barata do Brasil. Isso pode mudar [com a iniciativa privada]”, avalia.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade