Pesquisar

Canais

Serviços

- Roberto Dunke / AENotícias
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Área livre de aftosa

Requião diz ter cumprido missão com novo status sanitário

Agência Estadual de Notícias
18 mar 2010 às 21:37
Continua depois da publicidade

O governador Roberto Requião disse nesta quinta-feira (18) que cumpriu sua missão ao eleger a agricultura como uma de suas prioridades de governo e que um dos resultados de suas políticas públicas deve ser o reconhecimento do Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação. "Agora é com o Orlando Pessuti, que assume o governo a partir de abril até o fim do ano e com certeza levará adiante as políticas públicas de nosso governo e dos próximos governos que vierem", afirmou.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

"Saio com o dever cumprido, não pensei que pudesse avançar tanto", salientou. "Nossa parte foi feita. Agora, é com vocês", disse Requião referindo-se aos pré-candidatos ao governo do Paraná durante o Seminário Paraná Livre de Febre Aftosa sem Vacinação, realizado nessa quinta-feira (18) na Universidade Positivo.

Continua depois da publicidade


O secretário nacional da Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Inácio Kroetz, anunciou que o Paraná está capacitado para levar adiante o processo de reconhecimento de área livre de febre aftosa sem vacinação. O governador atribuiu o êxito das políticas direcionadas ao setor agropecuário ao vice-governador Orlando Pessuti, que foi seu primeiro secretário da Agricultura, e posteriormente ao atual secretário Valter Bianchini.


Acompanhado do vice-governador Orlando Pessuti, Requião fez um breve balanço de seu governo e ressaltou sua atenção com a agricultura em geral e em especial com os pequenos agricultores familiares. Disse que optou por fazer um governo de transformação. "Não um governo transformista, que aparenta ser o que não é pelo mecanismo da publicidade".


O governador lembrou que não poupou esforços para liberar a realização de concurso público para mais de 400 técnicos para a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento investir contra a febre aftosa e atingir um novo status sanitário para o Paraná.

Continua depois da publicidade


Disse ainda que, embora essa política tenha beneficiado todos os agricultores e pecuaristas do Estado, sua opção foi de governar para os pobres e, por isso, deu prioridade também programas como o Trator Solidário, o Irrigação Noturna e Fundo de Aval, que beneficiou sobretudo os pequenos produtores.


BALANÇO


Ao fazer uma avaliação do seu governo, Requião disse que seu governo enfrentou problemas com a questão segurança pública. Lembrou, no entanto, que o Estado também foi vítima da falta de emprego e de políticas públicas para os jovens, cuja grande parte, sem opção, foi para a marginalidade.


O governador lembrou um estudo divulgado pelo Ipea sobre o período de 1987 a 2007 e que aponta que o desemprego cresceu de 7% para 20% entre os jovens até 20 anos e de 5% para 11% entre os jovens de 21 a 29 anos. "Daí a cooptação dos jovens pelos traficantes e a dificuldade que enfrentou a segurança pública em todo o País", justificou.


Segundo Requião, o governo federal tem que planejar políticas públicas que incentivem a criação de empregos e que a administração pública seja direcionada para atender o setor produtivo e não os setores interessados apenas no lucro.


"Precisamos pensar se queremos o Brasil Nação ou o Brasil Mercado", alertou. Para o governador, o mercado que só pensa no lucro e na ganância do capital, não se compromete em gerar empregos, que cria possibilidades de vida digna e melhor para os jovens.


Para Requião, a essência de seu governo foi a defesa do provo e dos mais pobres, daí os investimentos criativos na agricultura. Por causa das políticas agrícolas para o meio rural, o Paraná pela primeira vez, em muitos anos, reverteu o êxodo rural. Citou o censo agropecuário do IBGE, que constatou que pela primeira vez o número de propriedades rurais parou de cair.


PESSUTI


O vice-governador Orlando Pessuti firmou seu compromisso em levar adiante a política pública de sanidade animal no Paraná, quando assumir o governo a partir do próximo mês. Segundo ele, jamais seria contrário à essa proposta, já que a reformulação do sistema de Defesa Sanitária Animal foi intensificada quando esteve à frente da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, entre 2003 a 2006. E também por sua trajetória de vida e política, toda ela dedicada ao setor agropecuário.


Pessuti também citou os momentos difíceis em que passou com o Ministério da Agricultura, quando não recebeu recursos para aplicar no serviço de defesa agropecuária. "Era grande a nossa angústia na época em que o governo federal nada investia nesse setor", recordou.

"Fomos em busca do que o Paraná precisava e contei com o apoio do governador Requião para realizar os concursos públicos para a Secretaria da Agricultura e para a reforma e modernização do Centro de Diagnósticos Marcos Enrietti, que hoje dá o suporte para agilizar os diagnósticos clínicos e epidemiológicos do rebanho paranaense", salientou.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade