Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Vastidão territorial

Transporte ferroviário tem espaço para crescer, avaliam especialistas

Douglas Kuspiosz - Especial para a Folha
26 fev 2024 às 09:15
- Alessandro Vieira/AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Seja de trem ou de caminhão, a produção agrícola e industrial precisa ser transportada. Em um país marcado pela vastidão territorial e economia diversificada, a relação entre os diferentes modais é um ponto central para a movimentação de mercadorias. 


Hoje, as rodovias reinam absolutas no transporte de cargas, mas isso não impede que outros modais - sobretudo o ferroviário - tenham fôlego para aumentar sua participação.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Um exemplo prático é a Integrada Cooperativa Agroindustrial, que utiliza tanto o transporte ferroviário quanto o rodoviário para escoar seus produtos. O gerente de logística da empresa, Itacir Nardino Júnior, explica que o uso é simultâneo e focado na eficiência, observando os melhores momentos de mercado de cada modal.

Leia mais:

Imagem de destaque
Muito caro

Azeite vira artigo de luxo e ganha lacres antifurto em supermercados

Imagem de destaque
Dá tempo!

Mega-Sena sorteia prêmio acumulado em R$ 56 milhões neste sábado

Imagem de destaque
Galpão na Fazendinha

Com alimentos saudáveis e sem conservantes, agricultores familiares marcam presença na ExpoLondrina

Imagem de destaque
Confira o calendário

Abono do PIS/Pasep será pago nesta segunda para nascidos em março e abril


“Alguns fatores como oferta de vagões, espaço físico em armazéns portuários e terminais de transbordo, tarifas de frete, entre outros, podem influenciar a utilização tanto do rodoviário como do ferroviário”, afirma. “Nossa estimativa é que cerca de 40% do volume passa pela ferrovia e os outros 60% são transportados pelo modal rodoviário.”

Publicidade


A realidade da cooperativa é próxima da avaliação feita pelo professor e ex-secretário do Transporte do Paraná, Mário Stamm Jr., que diz que o Brasil passa por uma fase de transformação em termos logísticos e que aspectos como eficiência e preço são centrais na discussão do uso de modais. Nesse cenário, a tendência é que o rodoviário, que já é o mais utilizado no país, continue com o maior espaço.


“Ele serve principalmente para o que a gente chama de 'door to door', de porta a porta. Você sai de um local, carrega e descarrega em outro, com o próprio veículo, sem necessidade de transbordo - dependendo, naturalmente, da carga”, explica.

Publicidade


Stamm Jr. pontua que o caminhão é importante na dinâmica brasileira, mas isso não exclui a relevância do transporte ferroviário. Em Londrina, um movimento importante deverá ser a concentração dos transportes no ramal ferroviário da cidade, distribuindo as cargas que antes saíam de Ourinhos (SP).


“Você tinha uma estrutura de terminal que no passado foi forte e hoje já não tem abastecimento suficiente. Era pequena a sua utilização em relação à estrutura de Londrina”, diz o professor, pontuando que não deve ocorrer uma “sobrecarga” da BR-369, com eventual aumento de caminhões circulando pela rodovia. 


“A estrada deve ter uma capacidade de absorção e suporte da demanda. Mas é uma questão de programação”, completa.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Modal ferroviário tem espaço para crescer, analisam especialistas
Avaliação é que melhoria na eficiência e na competitividade de preço são indispensáveis para diversificação dos modelos de transporte
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade