Pesquisar

Canais

Serviços

A sujeira deixada pelas aves é a principal reclamação - César Augusto
Continua depois da publicidade
Muita Sujeira

Londrina estuda meio de controlar população de pombas

Redação - Folha de Londrina
30 jul 2003 às 21:24
Continua depois da publicidade

As pombas estão próximas de virar uma praga urbana em Londrina. Presentes em praticamente todos os pontos da área central, os pássaros dividem opiniões entre os que apreciam sua beleza e os que abominam a sujeira deixada nas ruas e os riscos que isso pode trazer à saúde da população. O problema, inclusive, está na pauta da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sema) que começa, a partir da semana que vem, um levantamento dos pontos mais críticos para estudar formas de controlar a população de pombas.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Mas não é necessário um estudo criterioso para perceber que aves estão em toda cidade. Na avenida Rio de Janeiro, entre a avenida JK e a rua Professor João Cândido (área central), existem pelo menos três grandes pontos de concentração que envolvem as cercanias do Cemitério São Pedro, toda a região do Bosque e o Terminal Urbano. Situação idêntica ocorre na maioria das praças da cidade e em trechos da avenida Duque de Caxias.


O funcionário público Edvaldo Moisés, assíduo frequentador dos bancos da Biblioteca Central, é favorável ao controle das aves. ''Desde que seja um controle natural e não se extermine os bichos seria uma boa, é muita sujeira, muito incômodo'', acredita, apontando para as luminárias e bancos encobertos pelas fezes dos pássaros.


Apesar das inúmeras reclamações, o fato é que os pássaros têm admiradores suficientes para manter seu bem estar e prover sua multiplicação. Um dos rituais diários do fotógrafo lambe-lambe Jovelino Rofino de Souza é distribuir milho às pombas da praça Floriano Peixoto (área central). Ele faz isso religiosamente entre 10h30 e 11 horas. O milho é doado por um rapaz que não tem tempo de distribuir. Há 42 anos na praça, ele faz o trabalho com prazer. ''Elas não incomodam, não'', afirma.


Mas até entre os admiradores, há quem ache que a população de aves passou dos limites. ''A cidade está infestada, mas sou admirador e gosto muito das pombas. Na minha casa, chego a tratar'', afirma Ângelo Zucco, dono de uma banca de revista. ''Mas não deixa de ser um problema, para andar na rua a gente tem que ir desviando dos montes (de fezes) para não levar um'', acrescenta.

Continua depois da publicidade


Apesar do estudo ainda não ter começado, o secretário de Meio Ambiente, padre Dirceu Fumagalli, adianta que o órgão não deve tomar medidas drásticas para contenção dos pássaros. ''Tem gente que acha que, para acabar com o problema, precisa cortar as árvores. Isso está fora de questão, vamos tentar buscar um equilíbrio, uma convivência mais harmônica'', disse.

O estudo começa a partir da incorporação de uma médica veterinária à equipe da secretaria, o que deve ocorrer a partir da semana que vem. Fumagalli também estuda ampliar a discussão junto com órgãos ambientais e universidades.


Compartilhar nas redes:

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade