01/10/20
PUBLICIDADE
Abertura de fronteiras

Europa fica fechada para turista brasileiro enquanto país não controlar coronavírus

Os 27 países da União Europeia concordaram em abrir as fronteiras externas nesta quarta (1º) para 14 países considerados menos críticos em relação ao risco de contágio de coronavírus: Argélia, Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Geórgia, Japão, Marrocos, Montenegro, Nova Zelândia, Ruanda, Sérvia, Tailândia, Tunísia e Uruguai.

Unsplash
Unsplash


Como a Folha adiantou, o Brasil está fora da lista, por causa da situação da epidemia, que continua "muito preocupante", segundo afirmou nesta segunda (29) a Organização Mundial da Saúde. As restrições atingem também a Rússia, os Estados Unidos, a Arábia Saudita e a Turquia.

O Reino Unido, que até o final deste ano está em fase de transição do brexit, foi considerado como membro da UE. Andorra, Mônaco, San Marino e Vaticano também terão entrada liberada.

Embora a China tenha controlado a Covid-19, a entrada de viajantes chineses dependerá do princípio da reciprocidade: a permissão será dada aos países cujos residentes tenham entrada autorizada na nação asiática.

A relação de países, que será revisada a cada duas semanas, refere-se às viagens "não essenciais", como as de turismo. As restrições não se aplicam a estudantes, trabalhadores sazonais, passageiros em trânsito, refugiados e familiares de residentes, entre outras exceções.

Como a gestão de fronteiras é uma competência nacional, e não da União Europeia, os países membros podem recusar a entrada de residentes de alguns dos 14 integrantes da lista, mas se comprometeram a não aceitar nacionais de outros Estados.

Isso é importante porque eles participam da zona Schengen, onde não há controle de passaportes nas fronteiras internas, o que exige que os critérios de entrada externa sejam semelhantes.

Segundo o jornal britânico The Guardian, a Grécia, que depende muito do faturamento do setor de turismo nos meses de verão, queria autorizar também a entrada de americanos, mas foi convencida do contrário.

Para montar a lista, os membros da UE seguiram critérios epidemiológicos como a curva do contágio no país e o número de novas contaminações. Também levaram em conta a confiabilidade dos números de cada país, a capacidade de testes e as regras de prevenção em vigor.

Um dos critérios foi o número de novos casos nos últimos 14 dias em relação à população. Na média, a UE tem 16 casos por 100 mil habitantes, considerando as duas semanas encerradas no último dia 24.

Entre os países de entrada liberada, a maior taxa no período foi a do Canadá, com 14 casos por 100 mil habitantes.

O Brasil tem 192/100 mil, os Estados Unidos, 111/100 mil, e a Rússia, 99/100 mil. A China registrou apenas 0,03 novo caso por 100 mil habitantes no período.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Em Jacarezinho
MP denuncia homem filmado agredindo companheira em posto de saúde
01 OUT 2020 às 15h15
Fiscalização
Defesa Social recebe 8.967 denúncias de desrespeito à quarentena em seis meses de pandemia
01 OUT 2020 às 14h44
Lava Jato
Fachin nega pedido de Lula para suspender processo do tríplex
01 OUT 2020 às 14h28
Saque e transferência
Caixa libera o auxílio emergencial para nascidos em abril
01 OUT 2020 às 14h17
Saiba mais
Pessoa física poderá ser tarifada por Pix quando receber dinheiro de venda ou serviço prestado
01 OUT 2020 às 12h30
Saiba mais
Eleitor poderá justificar ausência nas eleições deste ano pelo celular
01 OUT 2020 às 12h23
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados