Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Por corte de verbas

Sem-terra fazem protesto no Incra de Curtiba

Redação Bonde
08 jun 2009 às 11:02
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Um grupo de 500 sem-terra realiza na manhã desta segunda-feira (8) um protesto em frente Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) do Paraná, em Curitiba. A rua Dr. Faivre está bloqueada desde às 9 horas. Segundo a coordenação do Movimento Sem Terra (MST), o protesto visa reclamar o corte orçamentário do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera).

A mobilização é nacional e ocorre em todas as cidades brasileiras em que estão instaladas as superintendências do Incra. O MST alega que o governo federal cortou 62% do orçamento do programa e o Incra decidiu suspender os convênios para abertura de novos cursos. A verba passou de R$ 69 milhões para R$ 26 milhões. Para o MST, o Incra não consegue garantir formas de remuneração para os professores nas áreas rurais e vários cursos já conveniados com universidades em todo país, e alguns já iniciados, foram interrompidos por falta de recursos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


No Paraná, o MST exige a liberação imediata dos recursos já contratados para cursos em andamento, de três turmas em três escolas, de nível médio e superior; e liberação imediata dos recursos para a contratação de três novos cursos de agroecologia, que já estão aprovados.

Leia mais:

Imagem de destaque
Interdição temporária

Ponte na PR-450 entre Centenário do Sul e Porecatu será interditada para obras a partir de segunda

Imagem de destaque
Queda nas temperaturas

Arapongas: Centro Pop tem abrigo emergencial para população de rua

Imagem de destaque
Incluindo Londrina

Sanepar vai abrir Centrais de Relacionamento em 34 cidades neste sábado

Imagem de destaque
População em geral

Prefeitura de Arapongas reforça chamado para vacinação contra a gripe; veja os locais


A mobilização também cobra a liberação de recursos do orçamento do Incra para aquisição e desapropriação de terras, e o assentamento das 7 mil famílias acampadas no estado.

O Incra garantiu a continuidade de cinco cursos, quatro da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e um realizado na Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste). No entanto, revelou que existem dois cursos previstos para 2010 que ainda estão passando por adaptações para que sejam liberados para implantação. As informações são do MST e Incra.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade