Pesquisar

Canais

Serviços

Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Coisa tá feia

Três cidades terão rodízio no abastecimento de água; veja quais são

Pedro Marconia - Grupo Folha
21 dez 2021 às 15:06
Continua depois da publicidade

A falta de chuvas somada às temperaturas altas e, por consequência, o aumento no consumo de água têm gerado uma crise hídrica que impacta na vida de milhares de moradores do Paraná. Nas cidades de Santo Antônio da Platina, Quatiguá e Carlópolis, no Norte Pioneiro, a Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná) está implementando entre esta terça (21) e quarta-feira (22) o rodízio no abastecimento de água. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

 

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Santo Antônio, por exemplo, foi dividida em sete setores, em que cada dia da semana uma das subdivisões ficará sem o abastecimento de água no período que vai das 7h até as 12h do dia seguinte, totalizando 29 horas. A cidade, que tem mais de 46 mil habitantes, é abastecida pelo Ribeirão das Bicas. No último fim de semana os equipamentos que captam a água do ribeirão tiveram que ser desligados por falta de vazão. 


Em Quatiguá e Carlópolis serão três e dois setores, respectivamente, com a distribuição sendo “cortada” das 6h às 12h do dia seguinte. “Nas três cidades são ribeirões e bacias diferentes que estão sofrendo com a estiagem. Quando chega a perder um nível para bombeamento preciso restringir a produção. A forma de fazer em cada localidade é diferente porque depende da rede hidráulica. Buscamos causar o menor impacto possível na população. Em Santo Antônio já teve rodízio, suspendemos e agora estamos tendo que voltar”, afirmou Antônio Gil Gameiro, gerente-geral da Sanepar na Região Nordeste. 


A empresa garantiu que está atuando para tentar manter o fornecimento de água normalmente nas vésperas e nos feriados de Natal e Ano Novo. “A gente vem de dois anos de estiagem. A expectativa era que tivessem chuvas normais para recuperar, porém, isso não ocorreu. Enquanto não acontece temos que aprender a usar de forma racional a água, entendendo a dificuldade da natureza e nos adaptando a ela”, pontuou. 

Continua depois da publicidade


Continue lendo na FOLHA

Continue lendo