Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Novo estudo

Perfil da pós-graduação muda no Brasil em 25 anos

Redação Bonde com Agência Brasil
06 jun 2024 às 20:00
- José Fernando Ogura/AEN
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Brasil formou e empregou mais mestres e doutores em 25 anos, os cursos estão melhor distribuídos entre as regiões e há mais mulheres pós-graduadas. Os dados são do estudo "Brasil: Mestres e Doutores", produzido pelo CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos), organização social supervisionada pelo MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação). 


O estudo ainda mostra que, apesar das mudanças, permanecem assimetrias históricas como a remuneração mais baixa das mestras e doutoras em comparação aos colegas do sexo masculino com a mesma formação acadêmica. Ainda é baixa a proporção de pessoas com essas qualificações no conjunto da sociedade.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Segundo o CGEE, há “clara evidência do processo de desconcentração regional ocorrido na pós-graduação brasileira entre 1996 e 2021". Conforme análise, a Região Sudeste concentrava 62% do número de cursos de mestrado brasileiros em 1996. Após 25 anos, essa participação caiu 20 pontos percentuais.

Leia mais:

Imagem de destaque
Colisão frontal

Ciclista morre atropelado por moto em rodovia da Região Metropolitana de Londrina

Imagem de destaque
Santo Antônio da Pplatina

Policial militar morre ao colidor moto que pilotava em caminhão na BR 153

Imagem de destaque
Obituário

Falecimentos dos dias 15 e 16 de junho de 2024 em Londrina e região

Imagem de destaque
Crystal

Como funciona o Cirque du Soleil, que leva espetáculo de gelo ao Rio e a São Paulo


O mesmo fenômeno foi observado no doutorado. Em 1996, oito de cada dez cursos de doutorado estavam no Sudeste (79,2%). No mesmo intervalo de tempo, o peso da região caiu 29,6 pontos percentuais.

Publicidade


Em consequência, a geografia das titulações também se modificou. “Em 1996, 67,4% dos títulos de mestrado e 88,9% dos títulos de doutorado foram concedidos na Região Sudeste”, diz o estudo. Em 2021, “tais participações tinham diminuído para, respectivamente, 43,5% e 52,5%.”


Carteira assinada 

Publicidade


Mas as mudanças não param por aí, já que atingiram até o mercado de trabalho formal. Em 2009, no Sudeste, estavam empregados 55,1% dos doutores e 49,2% dos mestres. Em 2021, a prevalência de doutores na região permanece, mas deixa de ser majoritária, caindo para 45,6% dos doutores empregados. No caso dos mestres com carteira assinada, a proporção caiu para 43,9%.

Publicidade


A redistribuição da pós-graduação no Brasil tem a ver com dois movimentos. Em primeiro lugar, a mobilidade de mestres e doutores, especialmente dos estados de São Paulo, do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, para estados de outras regiões.


Em segundo lugar, o aumento da formação local, que diminui a relevância da “importação” de profissionais com mestrado e doutorado. “O fato de ter pós-graduação no Brasil inteiro dificulta a mobilidade”, avalia a socióloga Fernanda Sobral, vice-presidente da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência).

Publicidade


Imagem
Prefeitura de Londrina recebe projeto de revitalização do parque Daisaku Ikeda
Nesta quarta-feira (5), foi apresentado à Prefeitura de Londrina o estudo conceitual para a revitalização de uma das unidades de conservação ambiental mais importantes da cidade, o Parque Municipal Daisaku Ikeda, localizado na zona sul.


Desigualdade 


Sobral comemora a desconcentração, mas alerta para a queda recente da taxa de crescimento de cursos de pós-graduação. Entre 1996 e 2021, o número de programas de mestrado e doutorado passou de 608 para 4.691. 

Publicidade


O sucesso entre 2016 e 2021 foi menos intenso, no entanto. Segundo o CGEE, houve “clara desaceleração do processo de crescimento da pós-graduação brasileira nos cinco últimos anos da série analisada (1996-2021).”


A redução do ritmo preocupa especialmente a comunidade científica, porque o número de titulados por habitante ainda é pequeno. Em 2021, o país tinha 27 mestres para cada grupo de 100 mil habitantes e 10,2 doutores para cada 100 mil habitantes. “Isso ainda é baixo. Isso tem a ver com a nossa desigualdade social que é muito grande. "Para ter um nível educacional é difícil”, afirma Sobral.

Publicidade


A vice-presidente da SBPC, que acompanhou o lançamento do estudo em Brasília, também destacou a remuneração mais baixa paga as mulheres tituladas. Em 2021, a remuneração média das mulheres com mestrado era de R$ 10.033,95 – 26,7% menor do que recebiam os homens com a mesma formação. No caso das doutoras, a remuneração média naquele ano era de R$ 14.782,68 – 16,4% abaixo do que ganhavam os doutores.


Um detalhe importante é que a presença feminina é majoritária na pós-graduação. “A partir do ano de 1997, as mulheres passaram a ser maioria entre os titulados em cursos de mestrado no Brasil, A partir de 2003, elas também passaram a ser maioria entre os titulados em cursos de doutorado. A participação de mulheres no total de títulos de mestrado e de doutorado no ano de 2021 foram, respectivamente, 13,6 e 11,2 pontos percentuais maiores do que as participações de homens.”


Os dados analisados pelo CGEE são das bases de informações do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), RAIS (Relação Anual de Informações Sociais); e da Plataforma Sucupira, mantida pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), fundação vinculada ao MEC (Ministério da Educação) e responsável pela política de pós-graduação no Brasil.


Público e privado 


Conforme dados secundários, o setor público emprega mais mestres e doutores do que as empresas privadas, especialmente por causa das universidades públicas federais e estaduais, que são grandes empregadoras de professores que têm essas formações acadêmicas.


A despeito da tendência, o CGEE captou maior demanda por força de trabalho qualificada entre entidades empresariais. “O que a gente viu recentemente é que as entidades empresariais privadas passaram a ter papel importante no emprego de mestres - 25% do total dos mestres que estão empregados, trabalham hoje em entidades empresariais privadas”, diz Sofia Daher, coordenadora do estudo do CGEE e doutora em ciência da informação.


Segundo ela, a contratação de mestres e doutores pode ser fundamental em setores estratégicos como a indústria de transformação, que precisa de desenvolvimento tecnológico e inovação para ser competitiva. Pessoas com mestrado e doutorado “são responsáveis pela criação de novos conhecimentos e aplicação desses resultados”, afirma a coordenadora.


“Temos conversado com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial, que junto com outras instituições, tem discutido bastante políticas que possam aumentar a absorção de mestres e doutores pelo setor empresarial privado, aí nesse caso especialmente na indústria. A expectativa é que mestres ,e doutores tenham contribuição importante na geração de novos processos, aumento da competitividade e inovação, trazendo também conceitos importantes de sustentabilidade e responsabilidade social”, acrescenta Sofia Daher.


O estudo do CGEE gerou mais de 330 tabelas que podem ser consultadas diretamente no site.


Imagem
Três são indiciados por homicídio de homem morto em 'tribunal do crime' em Londrina
Três pessoas foram indiciadas pelo assassinato de Herold Alexandre de Andrade, encontrado morto em uma casa do residencial Flores do Campo, em L
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade