Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Contratados sem concurso

Assembleia Legislativa aprova projeto que pode triplicar vencimentos de comissionados

José Marcos Lopes - Especial para a Folha
21 mai 2024 às 09:30
- Orlando Kissner/Alep
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Alep (Assembleia Legislativa do Paraná) aprovou nessa segunda-feira (20) em dois projetos de lei que reestruturam o quadro de funcionários efetivos e de ocupantes de cargos comissionados, contratados sem concurso público. 


Aprovados na semana passada pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Assembleia, os PLs 299 e 300 foram apresentados pela Comissão Executiva da Alep e preveem gratificações para os comissionados, que, somadas, podem chegar a 250% sobre os salários, o que na prática poderá mais do que triplicar os vencimentos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O artigo 20 do PL 299 prevê que os comissionados poderão receber, entre outras outras “parcelas, remuneratórias ou indenizatórias”, uma Verba de Representação e uma Gratificação de Apoio Administrativo. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Mulheres são mais afetadas

Câmara aprova inclusão de políticas públicas para Burnout no SUS; especialistas comentam

Imagem de destaque
Entenda

MP junto ao TCU pede suspensão de acordo entre governo e grupo dos irmãos Batista

Imagem de destaque
Entenda

Google diz não permitir anúncios políticos no Brasil, mas publicidade continua a ser veiculada

Imagem de destaque
Novos detalhes

PF avança no caso 'Abin paralela' sob Bolsonaro e vê ações contra Judiciário, Congresso e eleições


No Anexo 3 do projeto, fica estabelecido que a Verba de Representação poderá ser de 100% sobre o vencimento, e que a Gratificação de Apoio Administrativo poderá chegar a 150%. Com a aprovação do texto, fica aberta a possibilidade para um funcionário comissionado que ganha R$ 1 mil, por exemplo, receber até R$ 3.500, se forem aplicadas as duas gratificações e seus percentuais máximos.

Publicidade


Segundo o presidente da Alep, deputado Ademar Traiano (PSD), o objetivo do projeto 299/2024 é cumprir determinações do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal de Contas do Estado (TCE). 


Os tribunais, no entanto, já deram pareceres contrários ao pagamento de gratificações por encargo especial para comissionados. No entendimento do Supremo, os valores só podem ser pagos a servidores efetivos. Traiano disse nessa segunda que a proposta não aumentará os custos da Alep.

Publicidade


“Nós estamos apenas atualizando o quadro dos servidores da Assembleia, dentro do cumprimento de ordens. Tanto o Tribunal de Contas quanto o Supremo Tribunal Federal fazem recomendações”, afirmou Ademar Traiano. 


“Isto não implica em valores financeiros, é zero qualquer possibilidade de aumento de custo. Nós estamos fazendo aqui um trabalho que vai rever o quadro, tanto na esfera administrativa quanto na área dos servidores comissionados. São adequações que vêm sendo cobradas, porque a última foi feita em 2010 e, portanto, os deputados, os lideres partidários, conhecem perfeitamente.”

Publicidade


O deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSD) também argumentou que não haverá impacto financeiro. “É uma junção de leis esparsas que nós temos, e que por decisão do STF nós temos que fazer uma adequação dessa legislação. Ela não gera impacto financeiro e cria condições para que a Assembleia tenha em um único diploma legal, de forma muito transparente, todos os cargos em comissão”, afirmou o parlamentar. 


As lideranças do governo e da oposição na Assembleia não comentaram o projeto ontem. Além de Traiano, a Comissão Executiva da Alep é formada pelo primeiro e pelo segundo secretários da Assembleia, cargos ocupados por Alexandre Curi (PSD) e Maria Victoria (PP), que assinaram os projetos. Eles não se manifestaram sobre as propostas. O PL 299 foi aprovado com 35 votos favoráveis e uma abstenção.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Alep aprova projeto que pode até triplicar vencimentos de comissionados
Propostas preveem gratificações que podem chegar a 250% sobre os salários de servidores não concursados
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade