Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Em coletiva

Dilma garante assistencialismo e Bolsa Família até o fim

Agência Estado
01 jul 2013 às 20:25
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou que não irá reduzir nenhum gasto com programas sociais no País. Em coletiva de imprensa no início da noite desta segunda-feira, 1º, interrompendo a reunião ministerial que teve nesta tarde em Brasília, Dilma afirmou que irá buscar em outras áreas recursos para fazer investimentos em mobilidade urbana e em serviços públicos, que têm sido motivos de protesto nas ruas do País.

"Não vai haver a menor hipótese de reduzir qualquer gasto social, porque tudo o que conquistamos foi reasultado do Bolsa Família, Luz Para Todos, Água Para Todos", afirmou a presidente, citando programas sociais desenvolveidos pelo Governo.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Dilma também disse que não iria comentar a pesquisa Datafolha que apontou queda na popularidade da presidente de 57% para 30% após três semanas de protestos pelo País. "Nunca comentei pesquisa. É um retrato do momento e a gente tem que respeitar", afirmou.

Leia mais:

Imagem de destaque
Deputado ironizou o acontecimento

Janones chama ataque a Trump de 'fakeada', e direita reaviva atentado contra Bolsonaro

Imagem de destaque
Recordou da facada de 2018

Bolsonaro diz que 'só conservadores' sofrem atentado ao comentar tiro em Trump

Imagem de destaque
Entenda

PF tira software espião do foco e mira dossiês em investigação sobre 'Abin paralela' de Bolsonaro

Imagem de destaque
Análise

Governo Lula perde debate digital de saidinha, dólar e arroz e ganha com BC e PL Antiaborto


Plebiscito. A presidente disse que apresentará nesta terça-feira, 2, ao Congresso, uma lista de perguntas, como sugestão, para um plebiscito sobre a reforma política. Ela enfatizou que cabe ao Congresso e ao Tribunal Superior Eleitoral definirem o conteúdo da consulta popular. Afirmando que uma consulta não pode ter questões em excesso para não ser exaustiva, disse que pretende enviar perguntas sobre financiamento de campanha e o tipo de voto em eleições.

Publicidade


"Basicamente, diz respeito ao financiamento das campanhas e ao padrão de voto vigente, se é proporcional, se é distrital, se é misto. Há esse tipo de questão. Deve ser formulado e amanhã vocês vão ver bem direitinho quais são as questões", afirmou.


A presidente falou que as perguntas serão enviadas como sugestão, porque a competência de convocar um plebiscito cabe unicamente ao Congresso.

"As perguntas ficam entre o Senado e a Câmara, de um lado, e o TSE, de outro, que formata as perguntas. Está claro na Constituição que quem convoca o plebiscito e quem tem poder convocatório para o plebiscito é o Congresso Nacional. Por isso eu insisto na palavra, é uma sugestão, no que se refere à relação entre o Executivo e o Congresso", afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade