Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Presença feminina

Eleições em Londrina terão punições duras contra fraude à cota de gênero

Douglas Kuspiosz - Especial para a Folha
17 jun 2024 às 08:30
- Roberto Custódio
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A cota de gênero nas eleições, que reserva o mínimo de 30% de candidaturas femininas na disputa proporcional, é uma ferramenta importante para garantir que as mulheres ocupem os espaços legislativos no Brasil. 


Mas, mesmo a regra estando presente na realidade brasileira desde a década de 1990, os casos de fraude com candidaturas femininas laranjas são frequentes. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aprovou em maio deste ano a Súmula 73, que busca fechar o cerco contra as tentativas de burlar o que determina a lei eleitoral. O objetivo é que exista um padrão para o pleito deste ano, uma vez que o TSE tem jurisprudência consolidada sobre o assunto. Só em 2023, foram confirmadas 61 práticas de fraude à cota de gênero; em 2024, já passam de 20.

Leia mais:

Imagem de destaque
Entenda

PF tira software espião do foco e mira dossiês em investigação sobre 'Abin paralela' de Bolsonaro

Imagem de destaque
Análise

Governo Lula perde debate digital de saidinha, dólar e arroz e ganha com BC e PL Antiaborto

Imagem de destaque
Mulheres são mais afetadas

Câmara aprova inclusão de políticas públicas para Burnout no SUS; especialistas comentam

Imagem de destaque
Entenda

MP junto ao TCU pede suspensão de acordo entre governo e grupo dos irmãos Batista


“Nas eleições municipais, há um número muito maior de fraude à cota de gênero do que nas eleições gerais. Os tribunais regionais eleitorais e os juízes eleitorais estarão já com um direcionamento importante para fazer aplicar em todo o território nacional o respeito à cota de gênero”, defendeu o relator do caso e presidente da Corte, ministro Alexandre de Moraes.

Publicidade


Entre os elementos que podem configurar fraude à cota de gênero estão as candidaturas com votação zerada ou inexpressiva; com prestação de contas zerada, padronizada ou sem movimentação financeira relevante; e com ausência de atos efetivos de campanha, divulgação ou promoção da candidatura de terceiros.


A juíza eleitoral Camila Gutzlaff, que responde pela 42ª Zona Eleitoral de Londrina, explica que as candidaturas laranjas buscam apenas cumprir a existência dos 30% e que, se forem identificadas, podem resultar na cassação do DRAP (Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários) da legenda e até na cassação do diploma das pessoas eleitas. 


Outras punições são a inelegibilidade de quem praticou ou anuiu a conduta e a nulidade dos votos recebidos pelo partido, implicando na recontagem dos quocientes eleitoral e partidário.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Eleição municipal terá punições duras contra fraude à cota de gênero
Especialistas entendem que, mesmo com avanços das últimas décadas, representatividade feminina na política precisa crescer
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade