Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade

Futuro da Copel continua em suspenso

Redação - Folha do Paraná
14 ago 2001 às 22:30
Povo continua nas galerias esperando a votação do projeto popular - Mauro Frasson- Folha do Paraná
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O futuro da Companhia Paranaense de Energia (Copel) permanece em suspenso. Os deputados estaduais ainda não votaram nenhum dos três projetos que podem colocar um freio no processo de privatização da estatal.

Por causa do tumulto no plenário e dos protestos das galerias, a sessão já foi suspensa seis vezes pelo presidente da Casa, Hermas Brandão (PTB). Foi reaberta pela última vez por volta das 22 horas, mas suspensa em seguida para uma reunião entre os líderes dos partidos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Além do projeto popular que cassa a autorização concedida pela Assembléia Legislativa em 1998 para o Estado vender a Copel (Lei 12.355/98), outros dois projetos impedindo a venda da Copel estão na pauta da sessão: um do deputado Divanir Braz Palma (PST), suspendendo o processo de privatização por 90 dias, e outro do pepebista Tony Garcia, também revogando a autorização.

Leia mais:

Imagem de destaque
Saiba mais

Justiça libera imóveis e carros de Palocci bloqueados na Lava Jato

Imagem de destaque
Abril de 2025

Lula adia pela 3ª vez retomada de exigência de visto para EUA, Canadá e Austrália

Imagem de destaque
Nova proposta

Câmara enterra PL das Fake News e rediscutirá texto do zero após caso Musk

Imagem de destaque
Vai voltar

Câmara aprova projeto que recria DPVAT


A situação teve duas baixas: a da deputada Serafina Carrilho (PL), que na semana passada já havia se manifestado contra a venda, e do pefelista Chico Noroeste. "O governo prometeu o Hospital Regional de Foz do Iguaçu e até agora não fez nada", declarou. O outro motivo que levou o parlamentar a mudar de voto foi o resultado de uma pesquisa que ele encomendou, mostrando que 97% dos entrevistados na região de Foz são contrários à venda.


A decisão de Chico Noroeste coloca o tucano Sérgio Spada em situação desconfortável. O reduto eleitoral de Spada, que não compareceu à sessão de ontem, também é Foz do Iguaçu. O PSDB ameaça Spada e seu colega Luiz Fernandes Litro, também tucano, que descumpriram ordem do partido no Estaod para votar contra a privatização da Copel.

Tiago Amorim (PTB) declarou que votaria com a oposição, apesar de ser da base do governo. O secretário dos Transportes, Nelson Justus, estava de prontidão na Assembléia. Nos bastidores, a informação era que Justus reassumiria sua cadeira, no lugar do deputado Custódio da Silva (PFL). O pefelista estaria sofrendo pressões para votar contra a venda.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade