Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Do Mercosul

Ministro londrinense apoia suspensão do Paraguai

Agência Brasil
25 jun 2012 às 17:14
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse, nesta segunda-feira (25), que o rápido processo de impeachment do ex-presidente do Paraguai, Fernando Lugo, causou "estranheza" e "perplexidade" ao governo brasileiro. Ele reiterou que o Brasil não deve tomar qualquer medida em relação ao Paraguai que não seja construída em consenso com os países da região.

Segundo Carvalho, o impeachment no Paraguai está na contramão da consolidação da democracia na América Latina. "O que se esperava era um caminho na outra perspectiva, no sentido de aprofundamento da democracia e não de restrição a um direito democrático de defesa como foi o caso que se praticou no Paraguai. Por isso, nossa estranheza e perplexidade e acho correto que a Unasul [União de Nações Sul-Americanas] e o Mercosul, que tem nas suas cartas de princípio a defesa da democracia, tenham uma ação forte".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Carvallho classificou com inusitada a rapidez com que se desenrolou o processo no Paraguai. "Você mudar o presidente de um país num período de 24 horas, 30 horas é de todo inusitado. Há uma insurgência de todos os países contra essa questão e acho que agora a presidenta [Dilma], e todos os países vamos, com maturidade, tomar uma posição".

Leia mais:

Imagem de destaque
Crescimento de 1,54%

Londrina registra 399,7 mil eleitores municipais em 2024

Imagem de destaque
Ano eleitoral

Arquidiocese de Londrina apresenta cartilha com orientações para eleição municipal

Imagem de destaque
Debate inevitável

Cúpula da Câmara quer discutir nova reforma da Previdência em 2025

Imagem de destaque
Pedidos de renúncia

Porta-voz da Casa Branca diz que Biden terminará o mandato


Ontem (24) o Mercosul suspendeu o Paraguai do bloco econômico. O Brasil sinaliza que não reconhecerá um Estado que desrespeita a ordem democrática.

Nos tratados de criação tanto a Unasul quanto o Mercosul colocam o regime democrático como condição para permanecer nos blocos. No caso do Mercosul, o Tratado de Ushuaia expressa que a plena vigência das instituição democráticas é condição essencial para o desenvolvimento dos processos de integração entre os estados que integram o protocolo. A Unasul tem um protocolo adicional que trata exclusivamente do compromisso com a democracia e reitera a promoção e a defesa da ordem democrática.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade