Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Caso Shirogohan

TJ mantém condenação de ex-vereadores de Londrina

Loriane Comeli - Folha de Londrina
11 jul 2014 às 07:49
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Sidney de Souza e Orlando Bonilha não conseguem reverter sentença do caso da boate Shirogohan
A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná manteve a condenação dos ex-vereadores de Londrina Sidney de Souza (PTB) e Orlando Bonilha por concussão no caso da boate erótica Shirogohan em sessão realizada no último dia 3. O acórdão ainda não foi publicado. Cabe recurso.

Em sentença proferida em dezembro de 2012, o então juiz da 3ª Vara Criminal de Londrina, Katsujo Nakadomari, condenou Sidney a quatro anos e seis meses de prisão em regime semi-aberto, além do pagamento de multa de R$ 301,6 mil. Bonilha, réu colaborador na investigação do esquema, foi sentenciado a três anos de prisão. Com a condenação em segunda instância, ambos ficam inelegíveis, em razão da Lei da Ficha Limpa.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Foi em decorrência desta condenação que o petebista ficou impedido de assumir uma vaga na Câmara de Londrina, mesmo eleito nas urnas em 2012. O juiz havia aplicado medida cautelar proibindo os réus de exercerem qualquer função pública até o trânsito em julgado do processo.

Leia mais:

Imagem de destaque
Agora SPVAT

Deputados federais de Londrina discordam sobre retorno do DPVAT

Imagem de destaque
'Bluesky'

Lula adere a rede rival de Musk após movimento da esquerda contra X

Imagem de destaque
Briga de engravatados

Após ser chamado de ‘incompetente’ na ExpoLondrina, ministro de Lula reage

Imagem de destaque
Entenda

STF forma maioria para ampliar foro especial, mas Mendonça interrompe julgamento


Os desembargadores também seguiram a sentença de primeiro grau quanto à absolvição de Flávio Vedoato, Gláudio de Lima, Henrique Barros, Luiz Carlos Tamarozzi e Renato Araújo, ex-parlamentares da mesma legislatura (2005-2008) que, segundo a acusação do Ministério Público (MP), também teriam exigido em 2006 propina do dono da boate para fazer alteração legislativa que permitiria a a instalação de um motel no local.


O entendimento do Judiciário, no entanto, é de que não há provas contra os demais vereadores, uma vez que o empresário obrigado a pagar R$ 15 mil pela alteração legislativa confirmou ter negociado apenas com Sidney e Bonilha. Na mesma ação eram réus Osvaldo Bergamin e o pastor Renato Lemes, falecidos enquanto o processo tramitava.

Sidney e Bonilha, junto com outros vereadores daquela legislatura, já foram condenados no caso da "lista Caldarelli" por concussão, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Um dos condenados é o vereador Jamil Janene (PP). O recurso ainda tramita no TJ. O advogado Renato Andrade, que representa Sidney, disse que irá apresentar recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Os ex-vereadores podem recorrer em liberdade.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade