Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Problema com a remuneração

Veto ao cargo de ouvidor da Câmara de Londrina será votado nesta quinta-feira

Douglas Kuspiosz - Especial para a Folha
21 mar 2024 às 09:00
- Fernando Cremonez/CML
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O veto ao cargo de ouvidor da CML (Câmara Municipal de Londrina), proposto no PL (Projeto de Lei) n° 19/2024, de autoria da Mesa Executiva, será analisado pelos vereadores na sessão desta quinta-feira (21). 


O texto, que se tornou a lei municipal 13.731/2024, foi vetado parcialmente pelo prefeito Marcelo Belinati (PP).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A justificativa para o veto parcial ao PL é a remuneração estipulada para a função. Enquanto a previsão era de que o ouvidor do Legislativo recebesse R$ 14,7 mil, o mesmo cargo da Prefeitura de Londrina tem pouco mais de R$ 11,3 mil de salário. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Cida Gonçalves

Projeto que equipara aborto a homicídio agrava casos de gravidez infantil, diz ministra das Mulheres

Imagem de destaque
Saiba mais

Lula prometeu parar tramitação da MP do PIS/Cofins, diz presidente da CNI

Imagem de destaque
Briga judicial

TJ cassa liminar que suspendeu concurso da Prefeitura de Londrina

Imagem de destaque
Trâmite em urgência

Procuradoria jurídica da Câmara de Londrina dá parecer contrário a aumento para guardas municipais


O MPPR (Ministério Público do Paraná), por meio do Núcleo de Londrina do Gepatria (Grupo Especializado na Proteção do Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa) e da 26ª Promotoria de Justiça de Proteção ao Patrimônio Público, recomendou que Belinati vetasse o projeto e que os vereadores mantivessem o veto, uma vez que o salário maior para o cargo do Legislativo, segundo o documento, vai contra a Constituição Estadual e Federal.

Publicidade


A Comissão de Justiça, Legislação e Redação, acompanhando a análise da Procuradoria Legislativa, votou na última segunda-feira (18) pela derrubada do veto. O argumento é que o cargo da Câmara exige ensino superior, ao passo que não há essa exigência para a função na Prefeitura de Londrina.


“Como se vê, os requisitos de ingresso de um cargo e de outro são, portanto, diversos, e isso diferencia os cargos, pois um cargo é necessariamente de nível superior e outro não: isto é o que justifica a diferenciação remuneratória entre os cargos”, cita a análise técnica. 


"Tanto que pode ocorrer, eventualmente, do ocupante do cargo de Ouvidor-Geral do Município não preencher os requisitos para a ocupação do cargo de Ouvidor-Legislativo."


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Veto ao cargo de ouvidor da CML será votado nesta quinta
A Comissão de Justiça já se manifestou contra o veto do prefeito Marcelo Belinati
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade