Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Estreia nesta quinta

Novo filme de Marcos Jorge, 'Mundo Cão', cria confronto violento

Agência Estado
17 mar 2016 às 08:52
Continua depois da publicidade

Adriana Esteves faz um dona de casa suburbana em Mundo Cão. A personagem é costureira. Vive com a fita métrica pendurada no pescoço. "A personagem me saiu assim, como uma homenagem à minha mãe, que criou os filhos costurando. Toda vez que me lembro dela, é a imagem que vem. Minha mãe e a fita métrica." O diretor Marcos Jorge vale-se de detalhes e até experiências pessoais para enriquecer seu novo filme e os personagens, mas a história, com certeza, não é autobiográfica.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Mundo Cão estreia nesta quinta-feira, 17, em salas de todo o Brasil. O filme integrou a Première Brasil, no Festival do Rio do ano passado, e saiu de circulação. Não passou em outros festivais - no Brasil nem no exterior. O motivo é simples - "A trama é cheia de reviravoltas e tem algumas surpresas que, reveladas, diminuiriam o impacto. Optamos por segurar para o lançamento, para evitar que esses detalhes vazassem." O curitibano Marcos Jorge é o diretor de Estômago, muito bem recebido, pela crítica e pelo público, em 2007.


Discretamente, ele espera repetir a dose. Mas está prudente, e temeroso. "Há uma cobrança, no mercado, por filmes grandes, que são quase sempre as comédias." Mundo Cão tem o tamanho que precisava ter. "Os test screenings e pré-estreias foram bem, mas agora, com o público, é outra coisa", avalia o diretor.


Assim como a personagem de Adriana Esteves nasceu com o desenho de sua mãe, Jorge revela que, de cara, assumiu que o marido dela devia ser negro. "Não é o tema do filme, mas queria que o casamento fosse misto. Tem toda a cara do Brasil de classe média, miscigenado." Com o marido negro veio seu oponente, também afrodescendente. Não é muito frequente um filme brasileiro com antagonistas negros, mas Jorge está felicíssimo com seus atores, Lázaro Ramos e Babu Santana.


"O Lázaro é esse gigante e o Babu, ‘pelamor’ de Deus..." O filme também não nasceu com o objetivo de metaforizar o Brasil atual, mas estreia num momento em que os ânimos andam acirrados e as redes sociais transbordam ódio e radicalização. Lázaro faz seu primeiro vilão. Admite que tinha dúvidas, mas embarcou no projeto. "Um dos meus prazeres nesse filme foi, de cara, a chance de fazer o antagonista de Babu. É um grande ator, sou fã dele. Estabelecemos uma boa química, umas provocações que um fazia ao outro e que potencializavam a tensão das cenas."

Continua depois da publicidade


Babu venceu como melhor ator no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro no ano passado por seu papel como Tim Maia. Mas não venceu sozinho - dividiu o prêmio com o Tony Ramos de Getúlio. São duas grandes interpretações, mas dividir o prêmio foi uma covardia dos votantes, ou quem sabe uma facilidade, para não tomar partido? "Ah, não sei, cara. Só sei que gostei muito. E foi uma honra dividir um prêmio com o Tony. Me criei vendo aquele cara. Minha mãe dizia que ele era o maior ator do mundo. E eu, querendo ser ator e me mirando nele. Foi um sonho." Babu faz o homem da carrocinha, que caça cachorros nas ruas da cidade. Jorge conta que é outra imagem da sua infância. "Morria de medo que aqueles caras laçassem meu cachorro."


Na ficção, Babu prende o cão feroz. Passam-se os dias, o dono não aparece, o cão é sacrificado. Irrompe Lázaro Ramos na vida de Babu. É ‘do mal.’ Criminoso, vive armado. E tem todos aqueles cães com nomes de ‘monstros’ - Calígula, Herodes, Nero. Lázaro resolve se vingar de Babu. Sequestra o filho dele. O que se segue é um confronto muito violento. No caminho, vidas são sacrificadas. Acuado, Babu também pega em armas. O vilão de Lázaro provoca. "Não é só puxar o gatilho, parceiro. Tem de olhar no olho na hora de atirar." Embora a cor da pele dos personagens não seja a matriz do confronto, nem do drama - "Eles poderiam ser brancos", observa Babu -, os dois atores concordam que é bom termos esse tipo de antagonismo na cena brasileira.


Lázaro colhe, atualmente, grande sucesso de público e crítica com o seriado Mister Brau, na Globo. "Fazia falta esse tipo de ficção sobre uma classe média alta negra", diz ele. "O Brasil mudou e nós só estamos acompanhando a mudança." Ele observa que esse tipo de teledramaturgia já existe há muito tempo nos EUA. "Eles tiveram confronto na luta por direitos e isso fortaleceu a cidadania dos negros. No Brasil, duvido que exista um negro que possa dizer que nunca sofreu preconceito, mas essas coisas são mais veladas. A ficção acompanha e só agora começamos a dar voz a conflitos que eram ignorados."

Lázaro conta que já escreveu roteiro para Mister Brau (a série é uma criação do gaúcho, também cineasta, Jorge Furtado). E não tem vontade de dirigir? "Até tenho, cara, mas esse negócio de escrever, dirigir e interpretar não é fácil. Nem todo mundo consegue ser Selton Mello" - e Lázaro ri ao citar o colega, a quem se devem filmes como O Palhaço e séries como Sessão de Terapia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Compartilhar nas redes:

Continue lendo

Leia mais

Últimas notícias

Publicidade