Pesquisar

Canais

Serviços

Ministério da Cultura
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Em cartaz

Papel principal de 'Bingo' era para Wagner Moura

Agência Estado
27 ago 2017 às 10:16
Continua depois da publicidade

Montador premiado - de 'Cidade de Deus' e 'Tropa de Elite' -, Daniel Rezende faz sua estreia na direção de longa com 'Bingo - O Rei das Manhãs', que estreou na quinta-feira (24). Rezende começou o filme com um ator, Wagner Moura. Devido a compromissos de suas agenda internacional - com 'Narcos' -, Wagner teve de sair fora, mas indicou seu amigo Vladimir Brichta. "De uma hora para outra, fiquei sem ator e aí me encontrei com o Vladimir. Olhei nos olhos dele, e vi tamanha ansiedade, tamanha vontade que relaxei. Tinha o meu Augusto."

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

O nome é importante. Augusto é o tipo de palhaço mais conhecido no Brasil. É extravagante, pícaro, mentiroso, provocador. Representa o mundo infantil. Anarquia e liberdade. Por uma questão de direito autoral, a cinebiografia de Bozo trocou de nome. Virou Bingo. Mais que isso - Arlindo Barreto era Bingo. Virou Augusto. "Queria descolar o meu personagem dele. O Arlindo fez sua viagem na realidade. Foi fundo nas drogas e no sexo. Salvou-o a religião. Virou evangélico. Com todo o respeito, não era o que me interessava. O que pode salvar Augusto no meu filme é o seu desejo, a sua necessidade de um palco. Não importa que palco é esse - teatro, filme pornô, palco de TV, púlpito de um templo evangélico. Ele necessita dessa luz."

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

O diretor só tem elogios para seu ator. "Vladimir foi de uma entrega absoluta. Deu um salto sem rede." E o próprio Vladimir - ele ri quando o repórter diz que Augusto talvez seja sua Carminha, o papel que, na TV, em 'Avenida Brasil', consagrou sua mulher, a atriz Adriana Esteves. "Não sei se vai ser Carminha, porque isso depende dos outros, do olhar do público. Mas, para mim está sendo, sim, um divisor de águas." Rezende destaca a contribuição da foto, da direção de arte, da montagem. "Estudei muito a pornochanchada e nossa cultura brega dos anos 1980. Queria que o filme fosse atemporal, e a arte tem coisas até dos 1960. Mas esse mergulho nos 1980/90 é muito forte. Está no meu imaginário como no do público. Espero que as pessoas o reencontrem como uma releitura crítica."


Continue lendo