Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Brasil S/A - O que fizeram com o país? :-(

13 fev 2015 às 16:06
Continua depois da publicidade

Em novembro de 2002, publiquei um artigo intitulado "O PT chegou lá", comentando sobre a eleição do ex-presidente Lula. Desde sempre, ousei sonhar com um ponto de vista desconectado de ideias partidárias, desvincular a política da economia, isso porque hoje tenho certeza de que não existe solução para o que estamos vendo acontecer no cenário político.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Está tudo bagunçado, faz tempo que não se ouve uma notícia boa, alguma coisa positiva, um passo para frente. Claro que é uma visão generalizada, porque, graças a uma grande quantidade de pessoas sérias e comprometidas, o nosso país ainda não afundou no mar de lama que se formou através do modelo político que vivenciamos, que de uma maneira muito competente, conseguiu arquitetar o cenário atual.

Continua depois da publicidade


Não me lembro de ter visto o país numa situação tão caótica quanto agora, onde é necessário que uma manifestação maciça seja deflagrada contra a câmara estadual (vimos ontem em Curitiba-PR) para que a lei seja cumprida, para que o processo legislativo seja realizado da maneira correta. Puxa, é no mínimo descabido causar tamanha reprovação e trazer à tona os piores sentimentos nas pessoas porque o governo se recusa a cumprir os procedimentos determinados pela legislação.


É uma atitude desesperada (do governo) porque simplesmente não existe um plano real, nenhum pensamento sobre uma verdadeira preocupação e melhora social. Parece que todos só estão preocupados em tirar o máximo que puder antes que tudo se desfaça.


É imprescindível um olhar sério em relação ao Brasil. O capitalismo não dita as regras políticas, é uma forma de organização sócio-econômica. Existe uma falta de informação e em muitos casos um "emburrecimento" proposital das pessoas, criando análises ferrenhas sob pontos de vista equivocados. Até foi criada uma palavra especial para dirigirmo-nos a "presidenta" da república. E esse é o país da educação...

Continua depois da publicidade


Sequer importa mais o partido ou o político, temos políticos demais, partidos demais e profissionais competentes de menos. As ações do governo devem ser realizadas pelo interesse e benefício comum. Não para atender a interesses partidários, que em sua totalidade não representam nenhum benefício aos cidadãos.


Políticos deviam se ater a fazer política, tão bem representada ao pedir perdão por um criminoso que foi condenado em outro país porque também infringiu a lei lá, mas não esperava que fosse diferente de sua pátria natal. Deixem a administração para administradores, para profissionais que entendem das nuances do mercado.


A democracia representativa derrubou o império romano, que elevou os impostos um pouco antes de seu declínio, na mais horrenda expressão de incompetência e inabilidade em gerir um país, parecido com a realidade em que estamos inseridos, onde vemos seriedade e competência em níveis negativos na escala de valores. E o que vão fazer quando o dinheiro acabar?


Simplesmente aceitar o que está acontecendo, porque foi "um ato democrático" é absurdo. Adolf Hitler também foi eleito democraticamente.


Mas afinal, agora é férias e daqui a pouco tem o carnaval. Depois vemos o que fazer com a situação e com a quadrilha que foi "democraticamente" colocada na gestão de nosso país. Me lembra muito quando o fazendeiro pediu que a raposa tomasse conta do seu galinheiro.


Foi de extremo valor. Admirável a mobilização que aconteceu na capital do Paraná. O brasileiro é bom, mas como tudo e todos, tem limites. Muito importante agora é alinharmos esses movimentos com uma visão assertiva, uma visão de criar uma sociedade melhor, onde através da contribuição, todos possam usufruir e que o benefício não seja individual, mas o benefício coletivo, possibilitando que o modelo econômico funcione adequadamente, onde todos ganham quando o dinheiro circula.


O Brasil pode ser um país grandioso, mas para que atinjamos esse patamar, é imprescindível que tenhamos os mesmos mecanismos que permitem uma empresa ter sucesso, principalmente a liberdade de substituir todo funcionário que não desempenha adequadamente suas funções, ainda que seja o presidente.


Vale lembrar que nós não trabalhamos para o governo. O governo trabalha para nós.

Pense!


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade