Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Pesquisa

Baixa hormonal na menopausa leva à perda de memória

Redação Bonde
16 jun 2009 às 09:52
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Estima-se que cerca de 60% das mulheres apresentem falhas na memória durante a fase de transição para a menopausa. Um estudo, realizado por pesquisadores norte-americanos e publicado pelo periódico científico Neurology revela que mulheres nesse período apresentam uma menor velocidade de processamento cognitivo e menor desempenho da memória verbal.

A pesquisa acompanhou mais de duas mil mulheres com idades entre 49 e 61 anos e com exames feitos ao longo de quatro anos. Os cientistas concluíram que as mulheres que receberam reposição hormonal antes do término da menstruação foram beneficiadas do ponto de vista cognitivo. Em contraste, a reposição hormonal iniciada após o término da menstruação promoveu piora nos testes cognitivos.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A razão para as frequentes queixas de memória na transição da menopausa é que a redução ou flutuação dos níveis do hormônio estrogênio podem dificultar o pleno funcionamento cerebral.

Leia mais:

Imagem de destaque
Drenagem é uma opção?

Celulite: por que surge, quais as principais causas e como tratar?

Imagem de destaque
Entra em vigor ano que vem

Arábia Saudita autoriza mulheres a dirigirem automóveis

Imagem de destaque
Dior apresenta nova coleção

'Nem todas as mulheres podem ser modelos', diz estilista da Dior

Imagem de destaque
Marca de lingeries 'Yandy'

Empresa dos EUA cria fantasia de 'Kylie Jenner grávida' para o Halloween


"Algumas áreas cerebrais são ricas em receptores de estrogênio, regiões que são fortemente vinculadas à memória, como é o caso do hipocampo e o córtex pré-frontal", explica o neurologista Ricardo Teixeira, diretor do Instituto do Cérebro de Brasília (ICB).

Publicidade


Além disso, estudos experimentais revelam que o estrogênio é capaz de elevar os níveis de neurotransmissores e também promovem o crescimento neuronal e formação de conexão entre os neurônios.


O estudo sugere que a reposição de estrogênio pode ser benéfica ao desempenho cerebral na fase de transição da menopausa e que esse efeito positivo parece não ser sustentado após o período de transição. "Essa é mais uma evidência de que os benefícios do uso prolongado de reposição hormonal não conseguem superar os riscos", diz o neurologista.


"A boa notícia é que esses efeitos parecem ser limitados, já que as mulheres voltaram a apresentar o mesmo desempenho cognitivo que tinham no período pré-menopausa após ultrapassarem o período de transição", complementa Teixeira.

*Ricardo Teixeira é neurologista, dirige o Instituto do Cérebro de Brasília (ICB) e dedica-se ao jornalismo científico. É também titular do blog "ConsCiência no Dia-a-Dia" www.consciencianodiaadia.com.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade