Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Fim do 'aperto'

Botox ajuda quem sofre de bexiga hiperativa

Folha de Londrina
09 jun 2009 às 15:30
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Aprovada há um mês pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), uma nova técnica pode aumentar a qualidade de vida de pessoas que sofrem de bexiga hiperativa, um problema que prejudica - e muito - o convívio social de quem sofre desse mal. A arma é uma velha conhecida, em moda em diversos círculos: a toxina botulínica, popularizada pela marca registrada Botox.

O problema da bexiga hiperativa faz com que a pessoa tenha de ir ao banheiro com mais frequência que a normal - isso quando o portador da deficiência não consegue segurar a vontade. A toxina, que possui a propriedade de paralisar parcial ou totalmente os músculos, atua diminuindo a atividade da bexiga e, assim, impedindo uma contração involuntária do órgão.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A técnica foi criada por uma médica suíça há cerca de cinco anos e, pouco tempo depois, começou a ser utilizada, em caráter experimental, por alguns médicos brasileiros. Um deles é o urologista do Núcleo Avançado de Urologia do Hospital Sírio Libanês de São Paulo, Flávio Trigo Rocha. Ele conta ter aplicado a toxina em cerca de 50 pacientes.

Leia mais:

Imagem de destaque
Drenagem é uma opção?

Celulite: por que surge, quais as principais causas e como tratar?

Imagem de destaque
Entra em vigor ano que vem

Arábia Saudita autoriza mulheres a dirigirem automóveis

Imagem de destaque
Dior apresenta nova coleção

'Nem todas as mulheres podem ser modelos', diz estilista da Dior

Imagem de destaque
Marca de lingeries 'Yandy'

Empresa dos EUA cria fantasia de 'Kylie Jenner grávida' para o Halloween


''Cerca de 80% dos que não tiveram sucesso em outros tratamentos responderam bem à toxina botulínica'', afirma o urologista, se referindo às antigas técnicas utilizadas contra a bexiga hiperativa, como fisioterapia do assoalho pélvico (a musculatura que sustenta a bexiga), medicamentos ou intervenções mais invasivas - entre elas, instalação de um marca-passo para controlar a bexiga, cirurgias ou colocação de um pedaço do intestino para diminuir a contratividade.

Publicidade


Se esse tipo de cirurgia demanda de sete a dez dias de hospitalização, no caso da injeção da toxina, apesar de requerer anestesia geral, o paciente recebe alta - no máximo - no dia seguinte à aplicação. Em 15 dias, a substância começa a fazer efeito, que dura entre 10 e 12 meses, quando uma reaplicação se faz necessária.


De acordo com Rocha, o custo do tratamento pode chegar a R$ 10 mil. O preço inclui o serviço hospitalar, as ampolas e o trabalho do médico. Agora, com a aprovação da Anvisa, os pacientes poderão utilizar os planos de saúde, garante o urologista.

Publicidade


Embora não haja estatísticas precisas no Brasil, o médico do Sírio Libanês, baseado em dados dos Estados Unidos, estima que 8 milhões de pessoas sofram de bexiga hiperativa por aqui. ''Nos EUA, são 17 milhões de pacientes.'' Desses 8 milhões de brasileiros, metade não responde aos tratamentos convencionais e 30% estão no ponto de não conseguir chegar a tempo ao banheiro.


Um desses era Marcelo Zotti Rodrigues, de 29 anos. Com paralisia nas pernas desde 2005, ele perdeu o controle da bexiga. ''Sofria de incontinência'', recorda. ''Minha bexiga não estava cheia e contraía, não dava tempo de chegar ao banheiro.'' Ele tentou a fisioterapia, sem sucesso, e só resolveu o problema com as aplicações da toxina botulínica.

A primeira foi feita há três anos, quando Marcelo teve de assinar um termo se dizendo ciente de que o tratamento ainda não havia sido aprovado. Deu certo e ele já está na terceira aplicação.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade