Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Cuidados especiais

Diabetes gestacional precisa de monitoramento diário

Redação Bonde
23 out 2009 às 10:17
- Reprodução
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A gravidez é um período muito importante na vida de uma mulher, pois muitas transformações acontecem na vida e no corpo a partir da concepção de um filho. E a mudança pode ser ainda maior quando se descobre algo como a diabetes gestacional. No Brasil, o problema atinge aproximadamente 7% das gestantes segundo dados do Ministério da Saúde. "Normalmente, o diabetes gestacional desaparece logo depois do parto, mas até 40% das mulheres que passaram pelo problema desenvolverão diabetes tipo 2 num prazo de 10 anos", afirma José Bento, ginecologista e obstetra dos hospitais São Luiz e Albert Einstein. No entanto, um pré-natal bem feito, cuidados especiais em relação à dieta e monitoramento constante da glicemia - combinado à medicação - são a chave para que a mulher garanta a sua saúde e a do bebê.

De acordo com José Bento, os sintomas do diabetes gestacional se confundem com sinais característicos da gravidez, como aumento de apetite, fraqueza e maior quantidade de urina, o que dificulta a percepção das mulheres de que algo não está bem. "Por isso, é preciso ficar atenta e fazer o exame de glicemia de jejum, que deve ser realizado no início da gravidez, pois se o resultado for maior do que 86, é preciso acompanhar o aspecto glicêmico mais de perto durante a gestação", explica o médico.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Constatada a alteração por meio de exames laboratoriais, o primeiro passo é cuidar muito bem do cardápio diário. "Uma consulta com nutricionista é importante para que a futura mamãe consiga controlar melhor a dieta, especialmente a ingestão de carboidratos", comenta o especialista. Mas existem casos em que somente a dieta não é suficiente para manter a glicemia da gestante em níveis aceitáveis e é preciso iniciar a terapia com insulina. "De todo modo, realizar um monitoramento glicêmico diário é fundamental nos casos de diabetes gestacional, pois é somente assim que médico e paciente conseguirão manter o problema sob controle", afirma José Bento.

Leia mais:

Imagem de destaque
Drenagem é uma opção?

Celulite: por que surge, quais as principais causas e como tratar?

Imagem de destaque
Entra em vigor ano que vem

Arábia Saudita autoriza mulheres a dirigirem automóveis

Imagem de destaque
Dior apresenta nova coleção

'Nem todas as mulheres podem ser modelos', diz estilista da Dior

Imagem de destaque
Marca de lingeries 'Yandy'

Empresa dos EUA cria fantasia de 'Kylie Jenner grávida' para o Halloween


Para auxiliar a mulher a controlar o diabetes gestacional com segurança e precisão, a Bayer Diabetes Care trouxe para o Brasil a tecnologia Já CodificadoT, presente em seus monitores da linha Breeze® 2. Essa tecnologia oferece mais precisão aos resultados, pois o paciente não precisa codificar o aparelho cada vez que troca as tiras reagentes. O Breeze® 2 ainda é o único que dispensa o manuseio das tiras, pois possui um exclusivo sistema de discos que contempla 10 testes.

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento do diabetes gestacional são: obesidade, casos da doença em família, partos anteriores de bebês com mais de 4 quilos e histórico de abortos espontâneos ou morte fetal sem explicação. No entanto, independente desses fatores, durante a gravidez o organismo feminino se depara com uma condição especial: a placenta produz uma substância que interfere na ação da insulina, o hormônio responsável pela síntese da glicose. Em condições normais, o organismo da gestante passa a produzir mais insulina para dar conta da síntese do açúcar. "Mas, em algumas mulheres, esse aumento na produção de insulina não acontece e ela acaba por acumular muita glicose no sangue, o que também afeta o bebê", conta José Bento. O diabetes gestacional não controlado pode levar ao quadro de toxemia gravídica - que engloba pressão alta, inchaço generalizado e presença de proteína na urina - cujas conseqüências vão desde o adiantamento do parto até convulsões e a morte de mãe e filho.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade