12/07/20
27º/15ºLONDRINA

Há riscos em engravidar após a redução de estômago?

A epidemia mundial de obesidade torna cada vez mais comuns as cirurgias bariátricas, mais conhecidas como redução de estômago. Para as mulheres jovens, que se submetem ao procedimento antes de serem mães, a cirurgia é motivo de muitas dúvidas quando decidem engravidar. Afinal, será que é arriscado engravidar? A mudança da dieta pode prejudicar o desenvolvimento da criança?

Segundo o médico Almino Ramos, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), se a mulher seguir as orientações médicas não há como ter riscos. "Para que a gravidez ocorra sem problemas, porém, a paciente bariátrica só deve engravidar dois anos após a realização da cirurgia de redução de estômago," adverte.


"A SBCBM recomenda que a gravidez seja evitada no período inicial pós-cirúrgico até 24 meses, quando o corpo está se adaptando à nova situação de perda de peso. Após essa etapa, a paciente deve tomar a decisão de engravidar amparada da avalição do cirurgião, da equipe multidisciplinar e do obstetra que for acompanhar a gestação", adverte Almino Ramos.

Reprodução
Reprodução


Riscos da gravidez no período pós-cirúrgico

"A gravidez no período de estabilização do peso (antes de dois anos) é uma situação que pode prejudicar a gestação. Se acontecer, é preciso uma avaliação minuciosa feita pela equipe multidisciplinar, especialmente pelo obstetra, para que sejam tomadas as devidas providências, a fim de minimizar quaisquer riscos", comenta o especialista.

Amamentação

"A reeducação alimentar e a suplementação vitamínica, com o acompanhamento da equipe multidisciplinar, permitem que a mãe possa amamentar seu bebê com tranquilidade. Se ela seguir as orientações da equipe de atendimento, não haverá qualquer tipo de alteração", garante o especialista.

Acompanhamento médico

"Cada situação é única em relação ao acompanhamento médico dessas mulheres. No caso de uma gestante com peso estabilizado e cirurgia realizada há mais de dois anos, o pré-natal é semelhante ao de uma mulher que não é paciente bariátrica. E todas as pacientes bariátricas, gestantes ou não, devem seguir acompanhamento nutricional continuamente", lembra Ramos.

"O comum é que as mulheres que fizeram a cirurgia bariátrica ganhe menos peso durante a gravidez. De qualquer forma é fundamental, especialmente nessa situação, o acompanhamento de uma equipe formada por nutricionista, endocrinologista, cirurgião, obstetra e ginecologista para manutenção e monitoramento dos índices dentro dos padrões saudáveis em relação às vitaminas, glicemia, colesterol, triglicérides, pressão arterial e outros", orienta.

De acordo com Almino Ramos, estudos científicos e o consenso médico não apontam para problemas de saúde do bebê em qualquer período após o nascimento, por conta de a mãe ser paciente bariátrica.
Redação Bonde
Continue lendo
Emagrecimento
Confira 4 hábitos que auxiliam na melhora do rendimento físico
10 JUL 2020 às 11h29
Emoções
Saiba como controlar a ansiedade no trabalho
10 JUL 2020 às 10h47
Tchau, toxinas!
Comendo muito na quarentena? Veja como a dieta detox pode ajudar!
10 JUL 2020 às 09h49
Auxílio emergencial
Caixa explica problemas no aplicativo Caixa Tem
10 JUL 2020 às 08h44
Pré, durante e pós
Vai fazer depilação a laser? Saiba quais são os cuidados essenciais
09 JUL 2020 às 11h37
Distanciamento
Má qualidade do sono afeta imunidade: veja como resolver
09 JUL 2020 às 10h38
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados