03/08/21
PUBLICIDADE
Especialista comenta

Bichectomia: conheça as vantagens e os riscos da cirurgia

Criada nos Estados Unidos, a técnica da bichectomia, que consiste na remoção de pequenas bolas de gordura na região da bochecha, chegou ao Brasil em 2015 e, desde então, começou a virar moda entre as celebridades. Embora muito procurada pelos resultados estéticos, essa cirurgia também pode ter indicação médica.

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


O procedimento pode ser feito por cirurgiões-dentistas e por cirurgiões plásticos. Para saber se o profissional é bom, Rafael Puglisi, conhecido como 'dentista das celebridades', explica que o paciente deve pedir os resultados. "Peça as fotos de procedimentos anteriores, pois com toda a certeza um bom especialista arquiva os resultados”, indica.

A bola de bichat fica localizada mais próxima da maçã do rosto na juventude e, ao longo dos anos, essa bola de gordura vai descendo e deixando o rosto mais quadrado. "A recomendação da cirurgia geralmente é estética, mas também pode ser médica, como, por exemplo, para as pessoas que costumam morder muito a bochecha durante a mastigação”, diz o dentista.

A bichectomia é feita com anestesia e dura entre 40 e 50 minutos, dependendo do profissional. "É normal sentir um pouco de desconforto nos cinco primeiros dias, por isso o especialista vai receitar antibióticos e analgésicos no pós-operatório. É recomendado não realizar atividades físicas no período e também indicamos ao paciente comer alimentos pastosos e frios”, explica o profissional.

O resultado estético, segundo o dentista, aparece no máximo em três meses. "A pessoa fica com o rosto mais harmônico e bonito. E o valor do procedimento varia de acordo com o profissional, podendo ir de R$ 3 mil até R$ 10 mil”, garante o profissional.

Somente pessoas com mais de 18 anos podem fazer a cirurgia, pois, assim como qualquer outro procedimento cirúrgico, os riscos existem. "Essa gordura, a bola de bichat, não volta após a remoção. Por isso, a cirurgia deve ser muito bem pensada e planejada. O procedimento é feito com bisturi, ou seja, um corte mal feito pode atingir um nervo e a pessoa pode ficar com uma paralisia facial, com uma sequela definitiva”, afirma Puglisi.

O dentista também diz que a bichectomia tem que ser feita sem associação com outras cirurgias plásticas, já que o pós-operatório demanda atenção do paciente. Outro ponto importante que o paciente deve saber é que as bochechas não voltam a crescer, mas podem ficar flácidas com o tempo se forem feitas em pessoas com determinados tipos de rostos.

"As bochechas podem ficar flácidas após a cirurgia com o passar dos anos. Por isso a cirurgia não é indicada para os rostos mais alongados e triangulares, e também para pessoas com os queixos mais protuberantes. Portanto, os profissionais devem ser muito criteriosos na indicação, pois quanto mais longo o rosto, maior é a área de estabilidade do tecido adiposo com a sustentação da pele”, esclarece Puglisi.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
Continue lendo
Semana do aleitamento

Vacinação contra Covid em lactantes não causa riscos ao bebê, dizem especialistas

03 AGO 2021 às 16h27
Para ser a 'braba' todo dia

Aprenda a fazer o penteado de Luísa Sonza em VIP em apenas 3 passos

03 AGO 2021 às 15h53
Notícias

Entenda por que games têm voltado ao velho lápis e papel mesmo com alta tecnologia

03 AGO 2021 às 09h50
Fios lindos e saudáveis

Como cuidar de cada tipo de cabelo durante o inverno: veja dicas!

02 AGO 2021 às 19h50
Procura de tratamentos

Fundação usa inteligência artificial para prever a progressão da doença de Parkinson

02 AGO 2021 às 17h23
Saia do básico

Makes coringas para sair da mesmice em qualquer ocasião

02 AGO 2021 às 15h34
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados