Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Saiba mais

PF indicia ministro das Comunicações, Juscelino Filho; entenda

Redação Bonde com Agência Brasil
12 jun 2024 às 15:44
- Antonio Cruz/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União-MA), foi indiciado pela Polícia Federal por suspeita de uso indevido de recursos públicos para a pavimentação de estradas que dão acesso a propriedades de sua família em Vitorino Freire (MA). 


Em nota, o ministro alegou inocência. Segundo ele, o caso não tem nenhuma relação com sua atuação à frente do Ministério das Comunicações, mas à indicação de emendas parlamentares, quando exercia o cargo de deputado federal.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


“No exercício do cargo como deputado federal, apenas indiquei emendas parlamentares para custear obras. A licitação, realização e fiscalização dessas obras são de responsabilidade do Poder Executivo e dos demais órgãos competentes”, informou, nesta quarta-feira (12), por meio de nota, Juscelino Filho.

Leia mais:

Imagem de destaque
Entenda

Alta de tributo para compensar desoneração continua na mesa, diz Padilha após resistência do Senado

Imagem de destaque
Estratégia de redução de danos

Países adotam vapes para reduzir uso do cigarro, mas não há consenso científico sobre estratégia

Imagem de destaque
9 mil crianças na espera

Curitiba tem fila em creches como pauta eleitoral e judicialização por falta de vaga

Imagem de destaque
Carteira Assinada

Agências do Trabalhador do Paraná iniciam a semana com 24,1 mil vagas, maior número do ano


Ainda em maio de 2023, o ministro já havia se reunido com o presidente Lula para prestar esclarecimento sobre o caso. Mais de R$ 5 milhões haviam sido repassados à prefeitura de Vitorino Freire, no interior do Maranhão, município que tem, como prefeita, a irmã dele, Luanna Rezende.

Publicidade


Defesa

Publicidade


Em nota, o minsitro disse que a investigação que resultou em seu indiciamento concentrou-se em “criar uma narrativa de culpabilidade perante a opinião pública, com vazamentos seletivos, sem considerar os fatos objetivos”.


“O indiciamento é uma ação política e previsível, que parte de uma apuração que distorceu premissas, ignorou fatos e sequer ouviu a defesa sobre o escopo do inquérito”, argumentou.


Ele acrescentou que, durante o depoimento prestado sobre o caso, o delegado responsável “não fez questionamentos relevantes sobre o objeto da investigação” e que, além disso, teria encerrado o depoimento de forma abrupta, após 15 minutos, sem ter dado espaço para esclarecimentos ou aprofundamento.


“Isso suscita dúvidas sobre sua isenção, repetindo um modus operandi que já vimos na Operação Lava Jato e que causou danos irreparáveis a pessoas inocentes”, complementou.


Imagem
Motorista bêbado bate em muro, invade casa e acaba preso em Londrina
Um homem de 37 anos foi detido após bater em um muro e invadir a casa danificada para tentar fugir da abordagem policial na madrugada desta qua
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade