Pesquisar

Canais

Serviços

- Memorial 11 de setembro
Professor dá dicas

Atentados de 11 de Setembro completam 20 anos: como o Enem pode abordar o tema?

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
11 set 2021 às 12:00
Continua depois da publicidade

Todos os anos, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) atrai milhões de pessoas que pretendem entrar na universidade. Uma das formas de fazer uma avaliação com mais tranquilidade é antecipar temas que podem aparecer tanto nas perguntas quanto na redação, fundamental para conseguir uma boa pontuação. Em 2021, um desses temas pode ser o já longínquo 11 de Setembro de 2001.

Continua depois da publicidade


Muitos estudantes que vão prestar esta edição do Enem não eram nem nascidos quando dois aviões atingiram as torres gêmeas do World Trade Center, no coração de Nova York, um terceiro colidiu contra o Pentágono e o último acabou caindo na Pensilvânia. Completando 20 anos daquele ataque, compreender seu contexto e consequências geopolíticas, militares e para a segurança da sociedade contemporânea pode ser um diferencial importante para os candidatos. O professor de História e coordenador editorial do SPE (Sistema Positivo de Ensino), Norton Nicolazzi Junior, aponta alguns aspectos aos quais será necessário prestar atenção sobre a data.

Continua depois da publicidade


1. Contexto histórico

Como acontece com todo evento histórico, é preciso entender o cenário em que os fatos estão inseridos. Os atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001 tiveram raízes, na verdade, em muitas décadas de relações entre os Estados Unidos e vários países do Oriente Médio, como o próprio Afeganistão, a Síria, Israel, Palestina, entre outros. “É importante nos colocarmos no lugar do outro quando se fala de terrorismo. Podemos considerar terrorismo o que o outro faz conosco, mas, por outro lado, talvez ele considere terrorismo aquilo que fazemos com ele”, destaca Nicolazzi. A maneira como os Estados Unidos estabeleceram aliados e inimigos naquela região é vista por muitos como uma maneira de terrorismo, também. Por isso, conhecer a história pré-11 de Setembro é uma dica valiosa.

Continua depois da publicidade


2. Mudanças subsequentes

O episódio do ataque da al-Qaeda aos EUA não foi o primeiro ato de terrorismo visto no mundo. Pelo contrário, o terror é uma ferramenta registrada ao longo de toda a história, mas foi o primeiro a ser transmitido ao vivo. “Talvez, no futuro, historiadores podem vir a estabelecer aquele episódio como um marco que inaugura um novo período da história humana, assim como a Revolução Francesa inaugurou a Idade Contemporânea”, conjectura o historiador. Depois daquele dia, o medo de novos ataques tomou conta do mundo e é pauta até hoje do planejamento de segurança de quase todos os governos e também de grandes eventos.


3. Evolução e involução

Enquanto, ao longo do século XX, o mundo assistiu a um avanço de pautas como os direitos da mulher, dos negros e de pessoas LGBTQIA+, o 11 de Setembro foi o marco inicial de um período de regressão e ameaça a esses direitos e uma tentativa de justificar essa marcha a ré com argumentos calcados em inúmeros preconceitos. Nicolazzi lembra que “O século XX trouxe a ideia de liberdade para o cotidiano das pessoas, principalmente no mundo ocidental. O atentado de 11/09 estabelece uma ruptura com essa tendência e, nos últimos 20 anos, vemos o avanço da xenofobia, por exemplo, que culmina em posicionamentos extremistas não apenas por parte desses a quem chamamos terroristas, mas também de cidadãos do mundo ocidental”.


4. Reflexão sobre monumentos

Estendendo-se um pouco além do tema do 11/09, Nicolazzi propõe uma reflexão muito atual. Ele convida os candidatos ao Enem a pensar sobre a polêmica dos monumentos históricos rechaçados por parte da população. Hoje, um monumento que lembra os ataques aos EUA faz sentido e tem uma aparente coerência. No entanto, o passar do tempo pode fazer com que as pessoas já não se sintam representadas por ele, assim como vem acontecendo com uma série de monumentos ao redor do mundo que contam certas versões da história. “A derrubada de monumentos históricos demonstra que os atores históricos atuais não se identificam com o viés que esses marcos defendem. Refletir sobre isso e sobre de que forma isso poderia acontecer em relação ao 11/09 também é uma forma de se preparar para o Enem”, alerta.

Continue lendo