15/07/20
24º/16ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Estudo da UEL

A pandemia sob o olhar do historiador: como o presente será contado no futuro?

A pandemia da COVID-19 já virou meme, já foi politizada, capitalizada e entrou na onda da polarização ideológica espalhada pelo Brasil e pelo mundo. Com tanta informação, inclusive desencontrada, será um desafio para os historiadores escreverem sobre este período. Maria Renata Duran é professora de História Moderna e Contemporânea no Departamento de História da UEL (Universidade Estadual de Londrina), e é uma historiadora com olhar atento tanto sobre a formação profissional de sua área quanto nos discursos que acompanham os fatos. Ela desenvolve um projeto intitulado "Retórica, ciência e literatura da modernidade à contemporaneidade".

Pixabay
Pixabay


Para a professora, é muito difícil fazer diagnósticos e mais ainda prognósticos porque, embora possamos encontrar paralelos na História, nunca é possível prever o futuro. "As coisas não ocorrem da mesma maneira nem nós as entendemos da mesma maneira a cada vez", explica. Mas o passado pode ensinar: "O passado não é banal, ele traz soluções, acertos e dinâmicas que podem ser úteis", acrescenta.

Por exemplo, houve outras doenças graves e que se espalharam por muitos países. A peste negra, no final da Idade Média (século XIV) é o exemplo mais lembrado. Embora não houvesse censos nem um mapeamento, estima-se que pelo menos ¼ da população da Europa morreu por causa da doença.

Naturalmente, o impacto na sociedade foi brutal, em todas as suas dimensões. Foi naquela época que começaram a surgir mais instituições hospitalares. Shakespeare citou a peste em algumas de suas obras: a trágica falha de comunicação entre Romeu e Julieta aconteceu porque o personagem que deveria evitá-la foi impedido de sair por causa de uma quarentena. Teatros eram fechados frequentemente para evitar que doenças se espalhassem, períodos em que Shakespeare aproveitava para escrever. O próprio poeta nasceu em meio a uma pandemia - ele era o terceiro filho de oito, e os dois mais velhos que ele morreram.

Duran avalia ainda que, através de Shakespeare, podemos vislumbrar uma mudança na política das cidades italianas e nas relações sociais das pessoas lá, que passaram a valorizar mais as relações locais. A peste negra durou muitos anos, mas incidiu de forma intermitente, indo e voltando. Na Inglaterra, só apareceu dois anos depois de assolar a Itália. Na França, ocorreu em ondas.

Direitos

Bem mais adiante, já no século XVII, ainda ecoam os efeitos sobre a população europeia. A extensa morte de pobres encareceu a mão de obra, fortaleceu os trabalhadores que se viram em melhores condições para exigir direitos, e gerou uma crise econômica que resultou em importantes mudanças políticas. Não é por acaso que em 1642 eclodiu a guerra civil inglesa. Ela foi tão importante que chegou a implantar um sistema republicano por algum tempo na Inglaterra.

Em outras instâncias, lembra a professora Maria Renata, também houve mudanças relevantes. Segundo ela, alguns historiadores enfatizaram o desenvolvimento do antropocentrismo e do humanismo no pensamento ocidental. "As ciências e o conhecimento começaram a se voltar mais fortemente para o próprio homem". As pessoas passaram a entender que a vida devia ser celebrada, e as relações sociais valorizadas (adiante se falará do "contrato social"). No Renascimento, descreve a historiadora, a Retórica se valoriza: "As pessoas querem falar. O discurso se desenvolve junto com o conhecimento técnico", observa.

Por outro lado, também houve polarização e radicalização do pensamento, como hoje, afetando as relações sociais. Foi também a época do medo, da Inquisição, das perseguições religiosas, da intolerância.

Gripe espanhola

Já no século XX, a chamada gripe espanhola (que não surgiu na Espanha), foi outra pandemia grave. Como também veio em ondas, a reação tinha que ser coletiva, não pontual. Entre janeiro de 1918 e dezembro de 1920, a doença teria infectado ¼ de toda a população mundial. Na época, relata a professora, o isolamento foi adotado. Ainda assim, fala-se em 50 milhões de atingidos, dada a gravidade da doença.

A gripe começou no final da Primeira Guerra Mundial e pavimentou o caminho para a Segunda, graças à depressão econômica em muitos países que veio em seu rastro. Altas taxas de desemprego, insegurança, hiperinflação e queda na produção fertilizaram o solo para ideias radicais como o fascismo e o nazismo.

História recente

Desde os anos 80 do século passado, países asiáticos têm convivido com epidemias de doenças respiratórias. Há anos os telespectadores veem imagens das populações chinesa e japonesa, por exemplo, usando máscaras nas ruas. Tudo isso gerou naquelas sociedades uma "cultura de resposta" às doenças infecto-contagiosas, de modo que elas não resistem às ações do Estado e não respondem com violência ou desespero. Maria Renata destaca, por exemplo, como a Coreia do Sul respondeu bem à atual pandemia. Lá, o auge da doença ocorreu ainda em março, logo após os primeiros casos, e desde então o gráfico só desce. Apesar de mais de 11.500 casos confirmados, as mortes não chegam a 280.

Nos Estados Unidos já foi diferente. Lá, onde os estados são mais fortes, a população sentiu menos segurança com o poder central e mais com as autoridades regionais e locais. Além disso, houve uma forte reação econômica, para variar, no sentido de perguntar: "Mas quem vai pagar esta conta?"

Brasil

Aqui os primeiros registros de grave epidemia datam de meados do século XVIII. O sarampo teria matado ¼ da população indígena da época. Mas não há números confiáveis. No século XIX, a tuberculose foi o grande mal, matando inclusive os poetas Castro Alves e Álvares de Azevedo. Vale lembrar que esta doença não foi erradicada e é a que mais mata no mundo - perto de três milhões por ano em todo o mundo. No Brasil a estimativa é de mais de 100 mil casos novos todos os anos.

Quanto ao cenário recente, a professora Maria Renata afirma que "nada hoje foi criado pelo vírus. Tudo foi acentuado, agudizado" - referindo-se ao sentimento de medo, desconfiança, hostilidade, entre outros. Ela não vê nenhuma grande mudança mundial até o momento. Mas destaca algumas pontuais. Na Romênia, por exemplo, a pandemia fez uma grande quantidade de romenos retornarem de outros países para lá. Com isso, começou a faltar mão de obra em algumas atividades, o que fez algumas nações mudarem a legislação para favorecer e estimular a fixação dos romenos.

Na América Latina, observam-se muitos problemas, e várias respostas. O continente, que tem uma história de ditaduras no século XX e redemocratização só ao final, enfrenta um problema geral: a descontinuidade das políticas públicas. Não é difícil entender o problema quando se pensa, por exemplo, que o governo brasileiro, em plena pandemia, trocou o titular do Ministério da Saúde três vezes, e tem um interino na pasta há quase um mês, justamente quando o país alcança o epicentro da doença no planeta.

A crise de saúde, segundo a professora, trouxe outras. Uma delas é a econômica, mas que foi acentuada, porque já existia. "Afinal, qual será o verdadeiro problema da economia brasileira? A pandemia, a quarentena, ou o sistema?", indaga a historiadora. Outra crise é diplomática: com seu discurso, o Brasil se afasta de outros países que poderiam contribuir. De fato, nem parece haver um plano diplomático brasileiro para enfrentar a doença. E há ainda a crise política, que também se acentuou, pois já vinha problemática, sem visão nem projeto. E para quem pensa que as Ciências Humanas não podem ajudar, a historiadora só dá um rápido exemplo: as fake news. "Precisamos da Comunicação para estudá-las, compreendê-las e evitá-las", diz.

Como se vê, não será uma tarefa simples para os historiadores abordarem este período. Como salienta a professora Maria Renata, a História é uma área de conhecimento viva, sempre em transformação. "Quando as pessoas se perguntam como o presente será contato no futuro, elas se espantam com a quantidade de informações a que têm acesso atualmente, esquecendo-se que, por exemplo, em meados de 1500 um novo continente foi descoberto, a imprensa foi desenvolvida, novas religiões surgiram e a centelha do capitalismo foi acesa", conta.
Agência UEL de Notícias
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
#blackouttuesday
Blackout tuesday: entenda o movimento que apagou sua timeline
Veja o seu!
Taróloga de Londrina mostra as previsões para os signos em junho
Continue lendo
Educação básica
Provas do Pisa de 2021 e 2024 são adiadas por causa da pandemia de Covid-19
14 JUL 2020 às 15h11
Confira!
Resultado do Sisu do segundo semestre já está disponível no site
14 JUL 2020 às 11h28
Opinião de especialista
Ensino híbrido é tendência para a vida escolar no mundo pós-pandemia
14 JUL 2020 às 10h21
Ainda cabe recurso
USP afasta aluno acusado de fraudar sistema de cotas
14 JUL 2020 às 09h41
Inscrições abertas
Prêmio selecionará projeto de professores contra Covid-19
13 JUL 2020 às 12h00
Ensino superior
MEC diz que resultado do Sisu será divulgado nesta terça-feira
13 JUL 2020 às 10h30
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados