Pesquisar

Canais

Serviços

- Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Transmissão por streaming!

Bienal do Livro do Rio de Janeiro será em formato híbrido de 3 a 12 de dezembro

Redação Bonde com Agência Brasil
06 out 2021 às 17:37
Continua depois da publicidade

Com o tema “Que história queremos contar a partir de agora?”, a Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro será entre os dias 3 e 12 de dezembro de 2021, no Riocentro. O evento terá formato híbrido e a programação será transmitida pela internet.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A ideia é aproveitar o evento para que as pessoas reflitam sobre as perdas e imposições trazidas pela pandemia de covid-19 e pensem sobre o futuro que desejam construir daqui para a frente, afirmou a diretora da multinacional francesa GL events, responsável pela Bienal, Tatiana Zaccaro.

Continua depois da publicidade


“Seguindo todos os protocolos sanitários, visando a segurança e a saúde de todos os envolvidos – público, funcionários, autores –, nós vamos trabalhar com 50% da capacidade do espaço. Todos aqueles que não conseguirem ir, por conta da redução de público ou porque não se sentem seguros de ir até a Bienal ou ainda porque moram longe ou até em outro país, vão poder acompanhar por meio da plataforma digital (acesse aqui). Toda a programação vai ser transmitida por streaming”, informou Tatiana.


Os ingressos começarão a ser vendidos no início de novembro apenas pela internet. Os valores dos ingressos ainda não foram definidos.

Continua depois da publicidade


Novidades - Uma novidade desta edição da Bienal do Rio é a curadoria coletiva. São ao todo 11 curadores que trazem diferentes visões para conduzir a construção da programação. “A gente buscou pessoas para que esse coletivo traga visão específica de cada nicho que a gente acredita que seja importante estar no conteúdo da Bienal”.


Integram o grupo de curadores a cineasta, produtora e diretora Rosane Svartman; a escritora e cineasta Letícia Pires; a escritora, jornalista e atriz Bianca Ramoneda; o jornalista Edu Carvalho; a escritora, jornalista e apresentadora Ana Paula Lisboa; o ator, roteirista, dramaturgo e escritor Felipe Cabral; a escritora e diretora Claudia Sardinha; o escritor e diretor Julio Ludemir, a jornalista Fátima Sá; a pesquisadora e consultora artística Raphaela Leite; e a escritora, roteirista e jornalista Eliana Alves Cruz.


Segundo Tatiana, a curadoria vai definir a programação da Estação Plural, que será lançada nesta vigésima edição da Bienal do Rio. Nesse espaço, serão reunidos autores, artistas e formadores de opinião que transitam no ecossistema literário – literatura, poesia, narrativa, atualidades, cultura pop, diversidade, ficção e não ficção –, visando debater com o público as diferentes perspectivas sobre “quem éramos, quem somos e o que vamos ser daqui para frente neste novo horizonte que aguarda a todos”.


Vacinação em dia - Para acesso à Bienal do Rio, será necessária a apresentação do comprovante de vacinação para os maiores de 12 anos. Serão exigidos distanciamento entre os visitantes e uso de máscaras. “Seguiremos à risca o que a lei, as autoridades e os comitês científicos dos estados decidirem. Neste momento, é esse o protocolo constituído hoje no Rio de Janeiro para o evento”. 


Tatiana admitiu que até dezembro, pode haver mudanças, que também serão observadas pela organização da Bienal. Totens com álcool em gel estarão disponíveis em todo o espaço do Riocentro.


Como a Bienal vai trabalhar com 50% da capacidade, os 300 mil visitantes serão admitidos durante os dez dias do evento. Haverá dois turnos diários para entrada na Bienal. Em cada turno, serão recebidas 15 mil pessoas, o que totaliza 30 mil por dia. 


Na hora da compra do ingresso, o visitante deve agendar o dia e horário em que deseja visitar a Bienal. “Nós fizemos assim justamente para democratizar o acesso, para que mais pessoas possam visitar a Bienal”, completou Tatiana Zaccaro.


A Bienal de Livros do Rio é realizada em parceria com o Snel (Sindicato Nacional dos Editores de Livros), que há 80 anos representa a classe editorial no país. O presidente do Snel, Marcos da Veiga Pereira, acredita que o evento marcará um novo momento para o mercado de livros.


“Além de ser um dos eventos mais importantes da cidade e o maior da indústria do livro no Brasil, a Bienal deste ano representará a materialização dos bons encontros que as histórias proporcionam.”


Para as editoras, Pereira disse que o evento sempre trouxe uma exposição extraordinária para as obras e uma troca direta com o público. "A nossa expectativa é de que o retorno dessa visibilidade e do aquecimento das vendas, que acontece de forma singular durante a Bienal, possa marcar um novo capítulo para o mercado editorial e a validação dos nossos esforços para atravessarmos esse período”, afirmou.

Continue lendo