Pesquisar

Canais

Serviços

Reprodução/Pixabay
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Entenda

Mudança no Enem reflete as novas propostas para Ensino Médio

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
18 fev 2021 às 17:41
Continua depois da publicidade

Na avaliação geral de especialistas, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2020, realizado em janeiro de 2021, trouxe provas consideradas dentro do esperado, a julgar pelo histórico das edições anteriores. Entre professores e estudantes, a percepção é que foi uma prova bastante conceitual, como já é costume nas últimas edições do Enem, mas que também exigiu do candidato uma capacidade de interpretação maior que o habitual. De acordo com a coordenadora editorial do Ensino Médio do Sistema Positivo de Ensino, Milena Lima, a edição de 2020 trouxe uma prova complexa. "Vimos um grande número de questões em que se conseguia depreender informações do próprio enunciado ou texto base para auxiliar na resolução da questão, o que exigiu então um nível muito alto de interpretação por parte dos estudantes", afirma Milena.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Segundo ela, a explicação para isso pode estar no Novo Ensino Médio. As mudanças propostas para a reformulação do segmento final da Educação Básica, que começam a ser implantadas em 2021, vão exigir que o Enem também mude. "Essa mudança não deve acontecer de uma vez, mas a edição de 2020 do exame já dá sinais de que as provas deverão, aos poucos, seguir um novo caminho para se alinhar às propostas da BNCC (Base Nacional Comum Curricular) para o Novo Ensino Médio", avalia a educadora.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


As mudanças previstas para a última etapa da Educação Básica foram pensadas para conectar essa fase da aprendizagem dos jovens ao comportamento da geração Z. A reforma traz, entre as principais novidades, os Itinerários Formativos, que são caminhos personalizados para aprofundar conhecimentos da Formação Geral Básica e oferecer maior sintonia com os interesses e o cotidiano dos estudantes. No novo Ensino Médio, o jovem é incentivado a desenvolver autonomia, autoconfiança, empatia e responsabilidade para ser competente na escolha da profissão e na solução de problemas complexos, por exemplo. "As mudanças vão ajudar o aluno no seu desenvolvimento, o que é fundamental para que ele crie repertório, tenha senso crítico e capacidade de análise e argumentação, elementos indispensáveis para que ele se saia bem em qualquer exame", afirma a coordenadora. Segundo ela, o Enem sempre cobrou do estudante inúmeras habilidades. "Seja a de argumentar, analisar ou estabelecer relações entre diferentes informações. Isso sempre foi cobrado, mas agora deve se acentuar ainda mais", comenta.


A especialista acredita que a tendência é que o Enem passe a se pautar pela matriz da BNCC que, segundo Milena, é global e desafiadora. "A matriz atual do Enem não está tão alinhada com as propostas deste Novo Ensino Médio e a tendência é que a organização do exame comece a se pautar pela matriz curricular da BNCC. A expectativa é que nos próximos meses seja lançada uma nova matriz para o Enem, em sintonia com a Base Curricular. Isso deve trazer inovações para o Enem e um termômetro dessa mudança será o exame seriado, previsto já para 2021", destaca. O Enem seriado consiste em um sistema de avaliação da Educação Básica para verificar o nível de aprendizagem dos alunos e a qualidade da Educação. Dentro desse modelo, os estudantes poderão fazer uma prova em cada um dos três anos do Ensino Médio.


O prazo limite para que a implantação do novo Ensino Médio esteja concluída é 2024. Até lá, Milena aponta alguns caminhos para a mudança no Enem: a implantação da BNCC do Ensino Médio, o Enem seriado e a mudança de perfil dos estudantes. "O Enem precisa acompanhar essa mudança que é uma transformação social, de pensamento da própria sociedade. Para que o exame se alinhe com aquilo que se espera do jovem ao final da Educação Básica, ele precisa se adaptar, se mostrar cada vez mais vinculado ao cotidiano, cada vez mais prático e refletir melhor a preparação que o estudante teve ao longo dos últimos anos e aquilo que ele valoriza na vida. Isso está longe de significar uma prova mais fácil", adverte.

Continua depois da publicidade

Para a educadora, o novo Ensino Médio tentou ao máximo se aproximar do estudante, olhar para o jovem com o interesse e respeito necessários para que essa fase da aprendizagem faça sentido ao aluno. "O que a nova BNCC propõe é que se enxergue melhor a realidade do estudante e ofereça algo que faça sentido para ele, que traga significado. O Enem precisa seguir esse mesmo caminho, refletir uma aprendizagem que faça sentido. Esse significado se constrói a partir de um contexto e se esse contexto não respeitar a condição juvenil, suas particularidades e vivências, não estará alinhado ao jovem de hoje e do futuro", completa.


Continue lendo