15/08/20
29º/17ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Energia renovável

UEM deve economizar R$ 200 mil por ano com usina solar

Com a entrada em funcionamento da usina de minigeração fotovoltaica de energia, a UEM (Universidade Estadual de Maringá) dá mais um passo para sustentabilidade e eficiência energética. Além de utilizar energia limpa e renovável, a iniciativa prevê uma economia de cerca R$ 200 mil por ano.

Divulgação UEM
Divulgação <a href='/tags/uem/' rel='noreferrer' target='_blank'>UEM</a>


O sistema foi ativado a partir da instalação de módulos fotovoltaicos em nove edifícios dentro campus-sede. São 1.440 módulos que correspondem a cerca de 2,8 mil metros quadrados de superfície para coleta, com potência total de 518 kWpico – unidade de medida que corresponde à energia máxima produzida pelos módulos fotovoltaicos.

Os equipamentos entraram em operação em fevereiro deste ano com o registro de pouco mais de R$ 46 mil de economia nas faturas de energia pagas nos últimos quatro meses. O valor ainda está abaixo do esperado, mas, segundo universidade, deve-se considerar que algumas adaptações iniciais foram necessárias, comprometendo a geração de energia e o registro durante o período de ajustes.

O professor Carlos Antonio Pizo, engenheiro executor do projeto, apresenta outro dado que ajuda a dimensionar o impacto positivo da usina fotovoltaica instalada na UEM. De acordo com ele, a capacidade de produção de energia do sistema é equivalente ao abastecimento de 1,1 mil residências familiares com consumo médio de 150 kilowatts por mês (kW/mês).

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A usina é resultado de investimento público de pouco mais R$ 7 milhões referentes ao PEE (Projeto Prioritário de Eficiência Energética) e P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), aprovados em 2017 em chamada pública da Copel e da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). A proposta apresentada pela UEM foi resultado do trabalho conjunto de servidores técnicos e docentes da Prefeitura do Câmpus e da Pró-Reitoria de Planejamento.

Quanto ao convênio de P&D, sob coordenação de pesquisadores do Departamento de Física, a proposta é a criação de uma nova geração de célula solar híbrida para conversão fotovoltaica, capaz de gerar maior quantidade de energia a partir do melhor aproveitamento do espectro da luz solar.

TROCA DE LÂMPADAS

O edital do PEE (Projeto Prioritário de Eficiência Energética) contemplou, além da usina de minigeração fotovoltaica, a substituição de 28.435 lâmpadas tubulares fluorescentes por lâmpadas Led, o que equivale a 95% do total de lâmpadas instaladas nos edifícios do campus-sede.

Toda a troca foi feita entre abril e junho do ano passado e pelas medições e verificações já realizadas houve uma diminuição expressiva no consumo mensal de energia da UEM. "Os cálculos apontam para uma economia de R$ 401 mil no período de junho de 2019 a maio de 2020, valor esse que a UEM estaria pagando sem a implantação do projeto de eficiência energética”, destaca Pizo.

De acordo com o engenheiro, a previsão é que a troca de lâmpadas e a usina fotovoltaica correspondam a 19,2% na redução do consumo total de energia do campus-sede. Como parâmetro, Pizo diz que em 2016, quando foi elaborado do projeto de eficiência energética, o consumo chegou a 9.387.866 kWh (killowats/hora). No período de junho de 2019 a maio de 2020, que já inclui parte das ações do projeto, o consumo foi de 8.181.862 kWh.

Segundo o reitor Julio César Damasceno, a iniciativa reforça as diretrizes de sustentabilidade previstas na Política Ambiental da UEM. Ele ressalta a necessidade de manter a estratégia, priorizando investimentos em atividades relacionadas ao consumo racional de energia, assim como a participação em novos editais.

Na condição de gestor, Damasceno menciona a demanda dos campi regionais da UEM que também carecem de implantação de ações desta natureza.

SOBRE O PROJETO

A chamada pública para o PEE foi exclusiva para instituições de ensino superior. As propostas passaram por um processo de seleção aberta. Entre as universidades do Paraná foram classificadas, além da UEM, a UEL (Universidade Estadual de Londrina), a UFPR (Universidade Federal do Paraná) e a UFTPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná).
AEN-PR
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Solidariedade
Projeto da UEL arrecada equipamentos para alunos acessarem atividades remotas
Dicas
Alternativas simples substituem o uso do computador na hora de estudar em casa
Fim do mês
UEL aprova retomada do calendário de graduação com atividades remotas
Continue lendo
Fonoaudiologia
Como ajudar as crianças no desenvolvimento da linguagem e da fala em casa
14 AGO 2020 às 16h15
Ensino superior
Confira como os cursos de extensão podem destacar o currículo do aluno
14 AGO 2020 às 15h52
Com os pais
Secretaria de Educação de Cambé abre consulta sobre retorno às aulas
14 AGO 2020 às 11h20
Corte no MEC
Retirada de R$ 1 bi para universidades em 2021 torna situação 'insustentável', dizem reitores
13 AGO 2020 às 08h24
Ensino de qualidade
Sesi vai fechar escolas no Paraná; Londrina, Cambé e Arapongas perderão unidades
12 AGO 2020 às 19h18
Aumente seu rendimento!
Conciliar teoria e prática nos estudos em casa é possível; saiba como
12 AGO 2020 às 17h18
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados