Pesquisar

Canais

Serviços

Arte de Rua

Grafite dá novo visual ao muro do Colégio Vicente Rijo em Londrina

- Gustavo Carneiro/Grupo Folha
Simoni Saris - Grupo Folha
06 jun 2022 às 15:42
Publicidade
Publicidade

O muro da fachada do Colégio Estadual Vicente Rijo ficou mais colorido neste final de semana. Vinte e cinco grafiteiros reunidos pelo projeto Arte na Escola Londrina trabalharam ao longo de todo o sábado (4) e domingo (5) para deixar a sua arte expressa na instituição. Munidos de spray, tinta e pincel, aos poucos os artistas foram substituindo o cinza por novas cores e formas. Além de trazer uma linguagem que dialoga diretamente com o público jovem, o grafite também é uma forma de combater o vandalismo das pichações e preservar o patrimônio escolar.  


“É uma característica do colégio ter esse muro alegre”, disse a diretora-geral do colégio, Maria Beatriz Bernardy Martinez. Antes de os artistas entrarem em ação, há uma conversa entre grafiteiros e a direção da instituição para definir as mensagens que seriam transmitidas por meio da grafitagem. Nas discussões, foram levantados temas voltados à educação, entre eles, a questão indígena e dos negros e a ciência. “A demonstração da arte é do artista. A escola não interfere na criação, só trocamos uma ideia”, explicou Martinez. O material foi comprado com recursos da escola enviados pelo Estado e verba proveniente da APMF (Associação de Pais, Mestres e Funcionários). 

Publicidade
Publicidade


O projeto Arte na Escola Londrina foi idealizado pelo Coletivo Cap Style a partir de iniciativas semelhantes para levar a arte para dentro das escolas, principalmente no estado de São Paulo. “Inicialmente, a ideia do projeto é fazer arte dentro da sala de aula, mas o Colégio Vicente Rijo é muito grande e essa foi a forma que a escola encontrou para contemplar todos os estudantes. E o coletivo fez uma curadoria de artistas para fazer a arte no muro da escola. Foram selecionados artistas de Londrina e de fora também”, explicou a membro do coletivo, Kenia Kuriki.


Por meio do grafite, Kuriki acredita que é possível atingir todos os públicos, desde crianças até adultos, gerando uma transformação na vida de quem é tocado pela arte. “Vivemos dias muito difíceis, principalmente depois da pandemia. Teve muita evasão, os alunos ficaram um período muito longo longe das salas de aula e o grafite vem como uma forma de acolhimento. É uma forma de convidá-los a estar naquele lugar.”  


Continue lendo na Folha de Londrina.

Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade