13/04/21
PUBLICIDADE
Clássico

'Moby Dick' é adaptado por quadrinista

Adaptação de um dos maiores romances da história da literatura para os quadrinhos foi lançada em 2014 nos EUA e chega ao Brasil nesta semana, pela editora Pipoca & Nanquim.

O crítico literário Harold Bloom, em seu Cânone Americano, erige, ao lado de Walt Whitman, Herman Melville como o mais "ambicioso e sublime" escritor norte-americano. Em sua época, contudo, Melville (1819-1891) foi tido como um mero escriba de romances náuticos. Morreu soterrado pelo ocaso na cova rasa em que a crítica deposita os corpos dos ditos escritores medianos. Melville só iniciou sua escalada ao posto de um dos baluartes do tal "grande romance americano" quando, passadas três décadas de sua morte, foi resgatado por autores como William Faulkner e D.H. Lawrence, que buscavam terreno fértil para fincar as raízes literárias americanas além dos versos de Henry Wadsworth Longfellow e do fugere urbem de Henry David Thoreau.


Bartleby, o Escrivão, adaptado em 1970 por Anthony Friedman e em 2001 por Jonathan Parker, foi enfim reconhecido como a pérola niilista-burocrata-corporativa que é, cada dia mais atual em um mundo globalizado e robotizado. Nada mais justo que sua obra-prima, Moby Dick, levada mais de dez vezes à televisão e ao cinema (desde 1926, em um filme dirigido por Millard Webb), seja homenageada também nos quadrinhos.

Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube


A história da baleia branca já havia sido quadrinizada, entre muitos outros, pelo italiano Dino Battaglia (1967), pelo francês Paul Gillon (1983) e pelos norte-americanos Bill Sienkiewicz (1990) e Will Eisner (2001), sendo este o autor de The Spirit (1940) e um dos maiores estetas da história dos quadrinhos, responsável por inovações gráficas que perduram até hoje no formato. A investida mais recente, de 2014, é do francês Christophe Chabouté, publicada agora no Brasil.

Moby Dick é um dos melhores trabalhos de Chabouté, cuja primeira aparição foi em Les Récits (1993), uma antologia sobre o poeta Arthur Rimbaud, mas não é sua primeira adaptação de um clássico literário: o quadrinista de 50 anos, até então inédito no País, publicou Construire un Feu (2007), inspirado em To Build a Fire, de Jack London.

Um de seus destaques é a trilogia Purgatoire (2003-2005), uma biografia em quadrinhos de Henri Désiré Laundru, serial killer e uma espécie de Barba Azul da França, responsável por 11 assassinatos entre 1915 e 1919, mencionado por Marcel Proust em sua obra Em Busca do Tempo Perdido e inspiração de Charles Chaplin em Monsieur Verdoux.

Tão injustiçado em vida, Melville foi tratado como subproduto cultural, tal como, em outros tempos, o jazz, o romance em prosa e a fotografia. Não é por acaso que sua obra tenha sido retratada com tamanha excelência por outra manifestação artística relegada à margem durante muito tempo: os quadrinhos.
Agência Estado
Continue lendo
Padma Patil

Atriz de Harry Porter anuncia que está grávida e recebe cumprimentos de colegas

12 ABR 2021 às 18h00
Saiba mais

Família vê timidez de Thaís como estratégia de jogo

12 ABR 2021 às 17h35
Reunião de condomínio

Tiago Leifert menciona formação de novos pódios para o Jogo da Discórdia do BBB 21

12 ABR 2021 às 17h05
Sucesso de 2004

Globoplay estreia 'Cabocla': relembre quem é quem na novela

12 ABR 2021 às 16h00
Já pensou?

Tênis de Kanye West vai a leilão e pode chegar a R$ 5,6 milhões, diz Sotheby's

12 ABR 2021 às 15h42
Já assistiu?

Susan Sarandon e Kate Winslet brilham em drama sobre eutanásia

12 ABR 2021 às 15h10
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados