Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Conheça

'O Menino e a Garça': animação emocionante entra em cartaz em Londrina

Carlos Eduardo Lourenço Jorge - Especial para a Folha
29 fev 2024 às 09:30
- Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Para seu primeiro filme em uma década, e provavelmente o último, o sempre iluminado roteirista e diretor Hayao Miyazaki revisita temas que sempre marcaram sua carreira – os frágeis laços familiares, o delicado equilíbrio do mundo natural – para contar uma história bela e dolorosa sobre um garoto de 11 anos, de luto pela morte da mãe. Que pode realmente não ter morrido.


“O Menino e a Garça” marca o retorno deste sempre justamente celebrado autor de animação (que anunciou sua aposentadoria após seu filme anterior indicado ao Oscar de 2013, “Vidas ao Vento”). 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


É um filme cheio de imagens impressionantes que variam do sublime ao pesadelo. Baseando-se em elementos da sua própria infância, Miyazaki sonhou com um ambiente fantástico em que tudo parece possível – incluindo o potencial para se reconstruir.

Leia mais:

Imagem de destaque
Lamentável

J.K. Rowling condena estrelas de 'Harry Potter' por apoiar pessoas trans

Imagem de destaque
Com altos e baixos

Ghostbusters: Apocalipse de Gelo - Confira nossa crítica!

Imagem de destaque
Em 2025

Cerimônia da próxima edição do Oscar ganha data para acontecer; veja a data

Imagem de destaque
Veja o vídeo

Lady Gaga aparece como Arlequina no primeiro trailer de 'Coringa 2', que estreia em outubro



Estreando no Japão em julho do ano passado, sem publicidade ou trailers, “O Menino e a Garça” foi um evento sem precedentes no país natal de Miyazaki, marcando a maior e mais estrondosa abertura em todos os tempos de um filme do diretor. 

Publicidade


Ressonância semelhantre vem marcando a estreia da animação por onde quer quer que ela seja programada. Aos 82 anos, Miyazaki está entre os cineastas vivos mais reverenciados, e seus fãs, aos milhares, sem dúvida estão em êxtase.


No meio da Segunda Guerra Mundial, o jovem Mahito (dublado por Soma Santoki) fugiu de Tóquio para o campo com seu pai, Shoichi (Takuya Kimura). O menino ainda está arrasado com a morte de sua mãe Hisako, que morreu em um incêndio. Shoichi, no entanto, seguiu em frente com sua vida, casando-se com sua cunhada Natsuko (Yoshino Kimura), irmã mais nova de Hisako, com um bebê a caminho. 

Publicidade


Mahito está tendo problemas para se ajustar a esse novo arranjo – ele fica desconfortável quando os moradores locais mencionam o quanto Natsuko se parece com a falecida Hisako – e indícios de seu sofrimento mental aparecem quando um dia ele bate a cabeça numa pedra. 


Mas logo Mahito conhece uma garça falante e bizarra, que na verdade tem alguém dentro dela (Masaki Suda), alegando que a mãe do menino não está realmente morta.

Publicidade


Trabalhando com seu produtor de longa data, Toshio Suzuki, e com seu habitual compositor Joe Hisaishi, Miyazaki volta sem esforço a seu estilo peculiar, que combina humor travesso com temas sérios, uma animação altamente naturalista até que os personagens se aventurem em reinos paralelos, onde visuais surpreendentes ocupam o centro da tela. 


(“Há muita coisa estranha neste lugar”, observa um personagem no início de “O Menino e a Garça”, declaração calorosamente recebida pelos adoradores do cineasta que saboreiam suas viagens ao surreal.)


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
'O Menino e a Garça': uma animação emocionante em cartaz em Londrina
No Japão, o filme teve uma estrondosa estreia, fato que se repete no mundo pelo prestígio do diretor e roteirista Hayao Miyazaki
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade