Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Pesquisa feita por 23 instituições

Combate à fome no Brasil precisa de apoio urgente da ciência, alerta ABC

Redação Bonde com Embrapa
13 mar 2024 às 12:30
- Tânia Rego/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade
Com os efeitos das mudanças climáticas cada vez mais sentidos no planeta, o cenário global de produção de alimentos sofrerá alterações. 


A ciência precisa avançar rapidamente para solucionar o dilema da próxima década – produzir com cada vez menos solo, água, insumos e esforço humano – o que será um dos principais passos para o combate à fome. 


O alerta é feito no livro Segurança Alimentar e Nutricional: O Papel da Ciência Brasileira no Combate à Fome, que será lançado nesta quinta-feira 14 de março na ABC (Academia Brasileira de Ciências). 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O livro é organizado por Mariangela Hungria, integrante da diretoria da ABC e responsável pelo grupo de trabalho sobre segurança alimentar. Hungria, também pesquisadora da Embrapa, é uma das principais especialistas no tema no país. A obra reúne o resultado do trabalho de 41 autores, de 23 instituições de pesquisa. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Nesta terça

Escritor e poeta gaúcho Fabrício Carpinejar faz palestra em Londrina

Imagem de destaque
Quinto volume

Autora de 'Jogos Vorazes' anuncia novo livro da saga para 2025; confira capa

Imagem de destaque
Renovação da fé

Confira seis livros católicos para ler no dia de Corpus Christi

Imagem de destaque
Literatura londrinense

Festa Literária de Londrina faz oficinas para escritores, editores e interessados em literatura


O objetivo é apresentar um quadro da fome no Brasil e apontar como a ciência pode ajudar a agricultura, o poder público e outros setores a enfrentar a insegurança alimentar – um problema que se agravou no país em meio à pandemia e que pode piorar nos próximos anos com os impactos das mudanças climáticas. 

Publicidade


“É preciso inovar fazendo uma ciência cidadã, em que há compromisso de diversos setores. Porque só ouvindo toda a sociedade e construindo essa ciência conjunta é que vamos conseguir definir estratégias adequadas para enfrentar a fome”, afirma Hungria. 


Atualmente, o Brasil é o quarto maior produtor de alimentos do mundo. Apesar disso, dados da PENSSAN (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional) apontam que, em 2021 e 2022, mais de 33 milhões de pessoas viviam em situação de insegurança alimentar grave, caracterizada por privação de alimentos e fome. 

Publicidade


Um paradoxo que só poderá ser resolvido com apoio da ciência e com políticas públicas de impacto, apontam os pesquisadores.


“O problema é esse: o Brasil é um grande produtor de alimentos e tem 33 milhões de pessoas passando fome. A fome tem causas múltiplas e requer estratégias multidisciplinares da ciência”, destaca Hungria.

Publicidade


Imagem
Antiviral contra dengue está em fase de testes pré-clínicos, diz pesquisador de Stanford
Agora, a aposta dos pesquisadores é em medicamentos que possam tratar mais de um vírus ao mesmo tempo.


Para resolver o problema, o livro aponta a necessidade de cooperação entre diferentes campos da ciência como forma de melhorar a produção de alimentos, valorizar a agricultura familiar e permitir parcerias entre governos, empresas e terceiro setor.


Entre as propostas apresentadas, estão o investimento em agricultura sustentável e regenerativa como forma de garantir melhor uso dos recursos; a adoção de políticas de prevenção de desastres e de gestão de riscos climáticos; o incentivo aos pequenos agricultores; a adoção de política de renda mínima que garanta a segurança alimentar e o investimento em educação no campo.

Publicidade


Nas últimas décadas, a ciência ajudou a agricultura a produzir mais usando novas tecnologias, como o melhoramento de plantas por engenharia genética ou o tratamento de sementes. Mas o setor terá que lidar com novos desafios nos próximos anos. 


Os três principais são a questão climática, com ações orientadas a reduzir a emissão de gases de efeito estufa e os desmatamentos; o combate à fome e a promoção da transição alimentar justa, com a busca por maior diversificação produtiva e mudanças no uso de insumos; e a inclusão produtiva da população mais vulnerável, com maiores oportunidades a quem precisa. 

Publicidade


“Este ano teremos uma quebra enorme na produção por causa da seca e das mudanças climáticas. Temos que investir em ciência para ter plantas que resistam a essas condições. Só que o combate à fome não é só produzir”, pontua Hungria.


O papel das mulheres na segurança alimentar é outro ponto destacado pela publicação. Atualmente, elas representam cerca de 43% do total de produtores na agricultura familiar, além de terem destaque no processamento, comercialização e preparo de alimentos. Apesar disso, mulheres têm dificuldade no acesso à terra e enfrentam outras desigualdades de gênero.


O livro aborda ainda a desinformação em torno da insegurança alimentar, o papel da bioeconomia e da educação no combate à fome, entre outros pontos. 


“O combate à fome deve estar sempre na pauta do dia. Esperamos que esse livro sirva de alerta à sociedade em geral e, em especial, aos tomadores de decisão, sobre a urgência do tema," afirma no prefácio a presidente da ABC, Helena Nader.


Imagem
Ministério da Saúde reavalia vacinação da dengue em escolas após reações alérgicas
Em reunião nesta terça-feira (12), o COE (Centro de Operações de Emergência em Saúde) informou não saber se dará continuidade à vacinação contra dengue nas escolas
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade