13/06/21
Confira!

Críticos elegem os melhores livros de 2017

As listas de melhores lançamentos do mercado editorial brasileiro de 2017 segundo críticos e repórteres de livros do jornal O Estado de S. Paulo.

UBIRATAN BRASIL:


O Vendido - Paul Beatty (Todavia)

O leitor é surpreendido a cada página graças a um humor incomum, por vezes cruel. "Pode ser difícil de acreditar vindo de um negro, mas eu nunca roubei nada" são as frases que abrem o livro e já dão o tom do que virá em seguida. Beatty tem o dom de descrever como a vida pode ser impiedosa para alguns, sem se desculpar pelo uso da violência, quando ela explode na nossa cara.

Lima Barreto: Triste Visionário - Lilia Moritz Schwarcz (Companhia das Letras)

Biografia do escritor que não apenas homenageia a até então definitiva (de Francisco de Assis Barbosa) como a atualiza, tratando da questão do racismo com propriedade. Ressalta ainda a atualidade do biografado: Barreto, a partir da adoção de um estilo seco e direto, lutava para que a literatura fosse um meio de levar ao homem comum a mensagem de sua libertação e um estímulo para continuar lutando para o reconhecimento de todos os seus direitos fundamentais.

Anjo Noturno - Sérgio Sant’Anna (Companhia das Letras)

Um escritor imbatível no conto - aqui, trata de morte, desejo carnal, amor, solidão por meio de nove narrativas que se reúnem num gênero híbrido: ora conto, ora memória, ora ainda novela. O que os une, porém, é a maestria da escrita que serve tanto aos anseios do escritor como, principalmente, para a literatura.

GUILHERME SOBOTA:

Angola Janga: Uma História de Palmares - Marcelo D'Salete (Veneta)

Com 432 páginas, o livro é um impressionante romance gráfico histórico calcado em fatos sobre o mais conhecido foco de resistência negra do Brasil colonial. Um dos grandes lançamentos dos quadrinhos brasileiros (se eu colocar "de todos os tempos" duvido que alguém diga que é exagero).

Instrumental - James Rhodes (Rádio Londres)

Emocionante autobiografia do pianista inglês de 42 anos, que está prestes a lançar um novo álbum, inclusive. Ele fala com honestidade brutal de como uma série de estupros que sofreu na infância moldou de maneira cruel o resto dos seus dias, e como a música de Bach, Chopin e companhia lhe deu uma saída possível.

O Ruído do Tempo - Julian Barnes (Rocco)

Outro livro que fala com paixão sobre música clássica, mas aqui ela é apenas uma das camadas da impressionante história do compositor russo Dmitri Shostakovich (1906-1975), recontada com a habilidade excepcional do romancista inglês. Um livraço.

Anjo Noturno - Sérgio Sant’Anna (Companhia das Letras)

O ritmo e qualidade da escrita de Sérgio Sant’Anna na última década revelam um escritor em pleno domínio de sua habilidade literária. Anjo Noturno, conjunto de textos inéditos deste ano, é o mais completo dos seus trabalhos recentes, todos em alto nível.

Aqui - Richard McGuire (Quadrinhos na Cia.)

O personagem principal de Aqui, graphic novel de Richard McGuire que chegou ao Brasil com status de obra-prima, é o canto da sala de uma casa - como se uma câmera fosse colocada ali, apontando para o mesmo lugar, em todas as páginas. O modo como o quadrinista americano desenvolve essa ideia é primoroso.

Anos de Formação: Os Diários de Emilio Renzi - Ricardo Piglia (Todavia)

"A vida é uma cadeia de encontros casuais, mas tentamos nos explicar a nós mesmos como se escolhêssemos tudo desde o início", diz Piglia nesse livro, o primeiro dos seus três volumes de diários. O autor costura anotações da época com textos reeditados que passeiam entre pontos de vista e focos narrativos, sem deixar nenhuma aresta em aberto a não ser aquela que a literatura descortina diante do abismo.

O Vendido - Paul Beatty (Todavia)

O livro do americano vencedor do Man Booker Prize 2016 ressoa tanto no Brasil porque dividimos com os EUA o passado cruel e escravocrata: a maneira criativa e muitas vezes impiedosa com que ele trata do tema torna esse livro uma experiência irresistível e ao mesmo tempo dolorosa.

Lima Barreto: Triste Visionário - Lilia M. Schwarcz (Companhia das Letras)

Depois de dez anos de pesquisa, Lilia M. Schwarcz entregou a aguardada biografia de Lima Barreto, e o resultado impressiona pelo retrato cheio de camadas do escritor, e da relação que o livro faz de sua história com o estado do Brasil e da cidade do Rio de Janeiro no início do século 20.

Não Era Você Que Eu Esperava - Fabien Toulmé (Nemo)

A trama é familiar ao leitor de literatura brasileira contemporânea: um pai narra como foi descobrir que sua filha recém-nascida tinha síndrome de Down. Passa então ao choque que foi lidar com a notícia, o período posterior de negação, pesquisa, aceitação, compreensão, e, finalmente, amor (trama parecida com a do incontornável romance de Cristovão Tezza, de 2007, O Filho Eterno).

A Mãe de Todas as Perguntas - Rebecca Solnit (Companhia das Letras)

Reunião de ensaios e reportagens esclarecedores e escritos com clareza sobre o feminismo e seu espaço na sociedade.

Menção honrosa: a reedição de Stella Manhattan - Silviano Santiago (Companhia das Letras)

ANDRÉ CACERES:

Úrsula - Maria Firmina dos Reis (Ed. PUC Minas)

No ano em que Lima Barreto foi o homenageado da Flip, a literatura afro-brasileira ganhou atenção. Coincidentemente, 2017 é o centenário de morte de Maria Firmina dos Reis, primeira romancista negra do Brasil e pioneira na literatura abolicionista. A reedição de seu principal romance é fundamental para preservar a memória dessa escritora.

Kindred - Octavia Butler (Morro Branco)

É a primeira vez que o público brasileiro tem acesso a uma obra de Octavia Butler em português, e justamente com um livro que trata das contradições de uma sociedade miscigenada que carrega as chagas do racismo após uma longa era de escravidão. Não poderia dialogar melhor com o Brasil.

Borges Babilônico - Jorge Schwartz (Companhia das Letras)

Se Jorge Luis Borges era uma enciclopédia viva, nada mais justo que dedicar uma enciclopédia a esse autor que ia do infinito ao infinitesimal em um átimo (ou uma frase). Esse pequeno Livro da Areia reúne verbetes de estudiosos, amigos e escritores sobre Borges e de Borges sobre todo tipo de tema. Uma verdadeira Biblioteca de Babel.

Os Despossuídos - Ursula K. Le Guin (Aleph)

Fora de catálogo há muito tempo, Os Despossuídos dialoga tanto com o período da guerra fria, quando foi concebido, quanto com o Brasil contemporâneo polarizado. É uma pérola que explica o motivo de Ursula K. Le Guin ter se firmado como a mais importante autora viva da ficção científica.

Moby Dick - Chabouté (Pipoca & Nanquim)

Herman Melville morreu no esquecimento, tido como um mero autor de romances náuticos sem muita importância. Hoje Harold Bloom, um dos principais críticos literários americanos, o eleva ao posto de ‘mais sublime autor’ da história dos EUA. Não é coincidência que o francês Chabouté tenha adaptado a obra para um meio que também teve de lutar para ganhar reconhecimento: os qu
Agência Estado
Continue lendo
Soltou o verbo

Marrone comenta que Bruno bebe demais e que precisa ter paciência para dupla não acabar

12 JUN 2021 às 16h11
Nos últimos 25 anos

Dia dos Namorados: Mais de 130 mil músicas com 'amor' no título cadastradas no Brasil

12 JUN 2021 às 11h31
Veja o vídeo da 'Pifaizer'

Humorista viraliza com sátira a emails não respondidos da Pfizer

11 JUN 2021 às 10h34
Confira o post

Débora Nascimento assume relacionamento com modelo ex de Marquezine

10 JUN 2021 às 18h00
Internado com infecção

Tiago Leifert vai apresentar Domingão durante internação de Faustão

10 JUN 2021 às 16h15
Comemorações

Daniela Mercury regrava 'O Canto da Cidade' em aniversário do jogo 'Valorant'

10 JUN 2021 às 16h00
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados