Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
R$ 1 Bilhão de publicidade

Por que a Globo precisa tanto do BBB, que virou mina de ouro com crise nas novelas

Guilherme Luis - Folhapress
08 jan 2024 às 08:50
- divulgação/TV Globo
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Big Brother Brasil está de cara nova para reconquistar seu público antigo, firmar poder frente ao mercado publicitário e contornar uma crise vivida pela TV Globo. É o que indicam as várias reformas anunciadas para a 24ª edição do reality, que foi de triunfo a pedra no sapato em dois anos.


O BBB do ano passado registrou a pior audiência da história do programa, com uma média de 18,7 pontos na Grande São Paulo, equivalentes a 3,87 milhões de telespectadores. Foram quase dez pontos a menos do que a média de 2021, quando a vitória da paraibana Juliette Freire parou o Brasil.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A nova edição do programa, que estreia nesta segunda-feira com 26 participantes, o maior elenco da história, entre anônimos e celebridades, tem a missão de contornar a crise da queda de audiência, uma vez que um fracasso no BBB poderia representar um rombo na receita da Globo.

Leia mais:

Imagem de destaque
Casamento aberto?

"A gente fala sobre isso", diz Angélica sobre relação não monogâmica com Luciano Huck

Imagem de destaque
Pequeno Ravi

Viih Tube revela nome do segundo filho; feto tem mais de 150 mil seguidores

Imagem de destaque
"Gaga Returns"

Lady Gaga anuncia novo álbum quatro anos após seu último lançamento

Imagem de destaque
Entrevista ao Fantástico

Após passar por cirurgia no cérebro, Tony Ramos afirma que valoriza muito mais a vida


A emissora tem o reality show como um de seus principais pilares financeiros para a programação de boa parte do ano, afirma Mauricio Stycer, jornalista especializado na cobertura de televisão e colunista da Ilustrada. Para se ter ideia, esta edição já ultrapassou a casa do R$ 1 bilhão com publicidade.

Publicidade


Imagem
Wanessa, Rodriguinho, Bin Laden: veja a lista do BBB 24
O BBB (Big Brother Brasil) divulgou, ao longo desta tarde e noite desta sexta-feira (5), os 18 primeiros nomes confirmados do reality show da TV Globo.


As novelas, antes a galinha dos ovos de ouro da emissora, vão de mal a pior. Entre as que estão em exibição, "Elas por Elas" tem registrado 16 pontos de audiência na Grande São Paulo, um recorde negativo para a faixa das seis, e "Fuzuê" é o título de menor audiência da faixa das sete em uma década.


Os últimos folhetins, com exceção de "Pantanal" e de "Vai Na Fé", também tiveram números ruins. "Travessia", trama de Gloria Perez que antecedeu "Terra e Paixão", teve capítulos que registraram a pior audiência da história da emissora para uma novela das nove.

Publicidade


É neste cenário que o BBB virou a principal vitrine publicitária da Globo. É difícil ver um episódio que não exiba entre duas e três ações publicitárias que forçam os participantes a virarem garotos-propagandas das marcas.


"A Globo chegou ao ponto absurdo, e digo como elogio, de patrocinar até a ressaca dos caras depois das festas. É genial", diz Chico Barney, jornalista especializado na cobertura de reality shows, lembrando o patrocínio de um popular remédio para curar os excessos das bebedeiras a ações dos programas.

Publicidade


E o BBB é um produto barato, na visão dos especialistas. Levar duas dezenas de pessoas a uma casa artificial por três meses sai mais em conta do que apostar às escuras numa novela ou numa série, que demandam cidades cenográficas grandiosas e a contratação de atores com salários que, somados, ultrapassam os R$ 3 milhões que podem ser dados a quem chega à final do reality.


Imagem
Luiza Brunet incentiva a filha Yasmin Brunet a fazer topless no BBB 24
A modelo, empresária e mais nova participante do BBB 24, Yasmin Brunet, tem o apoio da mãe para participar do reality show da Globo.


A Globo fechou contratos milionários com empresas como McDonald's, Amstel e Mercado Livre para esta edição. A cota publicitária mais cara custou R$ 114 milhões, num acordo que garante exposição da marca em todas as mídias do programa.

Publicidade


Mas, para isso, a emissora faz mudanças profundas na dinâmica do jogo. A maior delas foi anunciada em agosto, mesma época em que a empresa vende o programa para o mercado publicitário, segundo Mauricio Stycer.


A baixa audiência, dizem os especialistas, se deve a uma parcela de espectadores que não estava vendo mais seus desejos representados na telinha. Em 2021, os fãs de Juliette, a vencedora da edição, fizeram com que o programa perdesse um dos participantes mais queridos do público, o economista Gil do Vigor, que havia brigado com ela dias antes da final.

Publicidade


Aconteceu algo semelhante no ano retrasado, quando o exército de fãs do ator Arthur Aguiar se mobilizou para fazer com que ele chegasse ao pódio, ainda que o participante não fosse o favorito de muitos. É uma constante que se repetiu com os admiradores da vencedora do ano passado, Amanda Meirelles, que estava longe de cativar a maioria.


"As torcidas organizadas sequestraram o BBB nos últimos três anos, e isso vinha tendo um efeito muito negativo", afirma Chico Barney. "São vários grupos de centenas de pessoas organizadas 24 horas por dia, brigando na internet. Quando uma torcida monopoliza o jogo, enfraquece o programa, porque tira o telespectador mais ocasional da jogada."

Publicidade


A Globo, diz Barney, tem demonstrado um desejo de se conectar de novo com o espectador médio do programa, que assiste a bel-prazer, sentado no sofá de casa, sem fazer do BBB a coisa mais importante de sua vida.


Imagem
Ex-protagonista de 'Malhação', Daniel Dalcin vende frango assado no Rio
Daniel Dalcin, 38, que protagonizou a temporada de 2009 de "Malhação" (TV Globo), hoje vende frango assado no Rio de Janeiro.


É por causa disso, diz ele, que a emissora mudou o esquema de votação. Pela primeira vez, os votos serão computados a partir de um sistema duplo. No esquema tradicional, agora chamado de "voto da torcida", cada pessoa pode votar quantas vezes quiser. No outro, é possível dar apenas um voto por CPF. O resultado será calculado a partir da média ponderada dos formatos.


Na prática, deve ficar mais difícil que os fãs de um participante se mobilizem em mutirões que atravessavam dias e noites votando sem parar, o que acaba com o efeito surpresa do jogo e impõe sua vontade à de um público que é maior, mas menos engajado.


Além disso, pessoas com menos de 16 anos, que costumam ter mais tempo livre, devem pedir autorização de um adulto antes de votar, o que deve impedir que crianças e adolescentes controlem os rumos do jogo.

Apesar das mudanças, Rodrigo Dourado, um dos diretores do programa, afirma que as novidades não visam agradar a um nicho de espectadores. 


"O voto único vai ser importante para contemplar o público que quer sentar, assistir ao programa e se sentir empoderado. Mas o voto da torcida também é importante. Não podemos abrir mão da galera engajada", diz.


Fato é que as votações têm representado conflitos para a emissora. As redes sociais foram tomadas nos últimos anos pela suspeita de que fãs teriam usado robôs para fraudar o resultado do programa. Ao ser questionado sobre o assunto, Dourado foi interrompido por José Bonifácio de Oliveira, o Boninho, chefão do BBB e do gênero de variedades na emissora, que não participava da entrevista coletiva.


"Não tem robô. A gente não pode contar o que fazemos porque estaríamos dando chance de as pessoas entenderem como é. Mas trabalhamos inclusive na deep web, para você entender o nível de cuidado. Não existe robô, nunca existiu nem vai existir. É impossível. Temos até hacker trabalhando conosco", afirmou.


Imagem
Bruna Biancardi deixa de seguir Neymar nas redes sociais
Após supostos casos com outras mulheres e ao menos uma traição de Neymar ser descoberta - com direito a pedido público de desculpas -, a influenciadora Bruna Biancardi resolveu colocar um fim no romance.


Foi Boninho quem também afirmou, na Comic Con Experience, em dezembro, ter perguntado aos candidatos se eles estavam com o nome sujo durante o processo de seleção. "O público pediu, e a gente vai trazer um BBB mais popular."


Esta foi outra indicação de que o BBB quer voltar aos seus primórdios, também com a escolha dos participantes. Pela primeira vez em cinco anos, as celebridades representam apenas um terço do elenco, e não metade, como vinha sendo.


O diretor não mentiu. Quase todos disseram estar passando por dificuldades financeiras ao se apresentarem ao público. O baiano Lucas Pizane disse ser "pé rapado" e que deve aluguel. O catarinense Maycon Cosmer se definiu como "tia da merenda" e afirmou não ser preciso se formar em medicina para ser feliz.


Há ainda a operadora de caixa Leidy Elin, que fez sucesso nas redes ao dizer que está pouco interessada em fama e que só quer saber do prêmio para ter estabilidade financeira. A paulista Beatriz dos Santos também gerou burburinho ao declarar que já trabalhou como camelô e que passou a vida fugindo de fiscais.


Com um elenco cheio de "gente como a gente", não resta dúvidas de que a Globo está mesmo preocupada em se reconectar com o povo.

Publicidade

Últimas notícias

Publicidade