Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Outros esportes

Copa América nos EUA aproxima jogadores da seleção do universo de NFL e NBA

UOL/Folhapress
17 jun 2024 às 14:00
- Rafael Ribeiro/CBF
Publicidade
Publicidade

A preparação e a disputa da Copa América nos Estados Unidos é a junção de um mundo ideal para alguns jogadores. É onde ficam mais próximos de esportes e um estilo de vida atrelado a ligas como NBA (basquete) e NFL (futebol americano).

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Saiba mais

Romário tinha atalho para escapulidas e deu roupa para não apanhar em 1994

Imagem de destaque
Conheça a história:

Seleção cravou valor do bicho pelo tetra em guardanapo após trauma de briga

Imagem de destaque
Entenda

Por que o Flamengo pensa em ter um clube na Europa e tem Portugal como alvo

Imagem de destaque
Confusão

Caos na Copa América gera pressão da Fifa em Miami sobre Mundial de Clubes

O parque de diversões vai além do universo Disney em Orlando, já visitado por vários da seleção durante as folgas.

Publicidade


Vini Jr. e Militão, por exemplo, bateram ponto em um treino do Miami Dolphins, da NFL, quando chegaram aos EUA. Lá foram recebidos especialmente pelo wide-receiver Odell Beckham Jr.


Há seis meses, Vini e Endrick aproveitaram para ir a jogos da NBA.

Publicidade


A Copa América, inclusive, levará as seleções a atuar em estádios da liga de futebol americano. O lado ruim disso é técnico, porque os gramados têm dimensões menores.


"Muito bom. Gosto bastante da NFL, Patrick Mahomes (quarterback do Kansas). Acompanho sempre o Super Bowl, tento assistir. Pela diferença de horário, às vezes fica tarde. É muito bom estar aqui, tem a experiência de jogar em estádios incríveis. Vamos bater uma fotinho nos estádios, é sempre bom. É um privilégio estar aqui", afirma Andreas Pereira, meia da seleção.

Publicidade


POR QUE ELES GOSTAM TANTO?


Craques como Vini Jr, Neymar e Endrick curtem não apenas o jogo, em si, mas todo o estilo que está ligado especialmente ao basquete dos EUA.

Publicidade


No caso de Vini, há um componente adicional, por ver em LeBron James, astro do Los Angeles Lakers, o exemplo de como se posicionar em questões de lutas raciais e ações sociais.


Em suas costas, o brasileiro tatuou Kobe Bryant e Michael Jordan, outras duas referências suas no basquete, além do boxeador Mohammed Ali, outro norte-americano referência na luta contra o racismo.


O estilo da maioria dos jogadores da NBA envolve não só a forma de se vestir e usar acessórios, mas também as músicas.


Imagem
Críticas de Ronaldinho em ação de marketing criam mal-estar na seleção
As duras críticas feitas por Ronaldinho à seleção são parte de uma ação de marketing pessoal do atleta. No entanto, a postagem em suas redes sociais não caiu bem na delegação brasileira que disputará a Copa América.
Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade