Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Será?

Fifa vê Copa-2014 como a mais sustentável de todas

Agência Estado
22 jun 2012 às 19:44
Publicidade
Publicidade

O diretor de Responsabilidade Social Corporativa da Fifa, Federico Addiechi, reforçou nesta sexta-feira, durante palestra na Rio+20, que a Copa do Mundo do Brasil, em 2014, será a "mais sustentável de todas". Ele reconheceu os impactos negativos que a competição vai trazer ao País, mas afirmou que eles serão superados pelos positivos.

O diretor da Fifa defendeu a utilização da publicidade gerada pelo Mundial para divulgar medidas de desenvolvimento sustentável. "A Copa do Brasil será vista por metade da população mundial, então é uma oportunidade para dar ainda mais força a essas questões", disse.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Na última terça-feira, também durante evento da Rio+20, Addiechi anunciou o investimento de US$ 20 milhões (R$ 40,7 milhões) no Brasil, pela Fifa, para a implementação da estratégia de sustentabilidade da competição até 2014. O valor corresponde a 0,7% da arrecadação da entidade.

Leia mais:

Imagem de destaque
Novo técnico

Corinthians muda em relação a António e não vai ter esquema único com Ramón

Imagem de destaque
Legends Tour

Band vai transmitir amistoso de futebol com Adriano Imperador, Rivaldo e Seedorf

Imagem de destaque
Ídolo

Bicampeão italiano e redenção na França: a carreira de Baggio após o pênalti perdido em 94

Imagem de destaque
Ogundana Shola

Flamengo mira tendência europeia e busca jovens na África; xodó vai ficar


O secretário executivo do ministério do Esporte, Luís Fernandes, único representante do governo federal no Comitê Organizador Local (COL) da Copa, frisou a decisão do Brasil de solicitar, sem que a Fifa exigisse, a certificação ambiental internacional LEED (sigla em inglês para Liderança em Energia e Design Ambiental), concedida pela ONG Green Building Council. "Agora, a Fifa quer levar a experiência do País para as próximas Copas do Mundo", disse.

Também presente à palestra, o arquiteto espanhol Pablo Vaggione, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) - um dos principais financiadores das obras relacionadas à Copa nas cidades brasileiras - deu um alerta. "Vocês precisam estar preparados para a desaceleração de eventos, logo após o fim do Mundial", avisou. Segundo ele, a transformação de Barcelona não terminou em 1992, quando a cidade espanhola sediou os Jogos Olímpicos, "mas começou". "Não se pode desperdiçar o dia seguinte à Copa", disse.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade