Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Eurocopa

Filho de alemã, Montolivo prevê jogo especial na Euro

Agência Estado
26 jun 2012 às 19:10
Publicidade
Publicidade

O meia Riccardo Montolivo vai viver um sentimento especial nesta quinta-feira, quando enfrentar a Alemanha pela semifinal da Eurocopa. Isso porque o novo reforço do Milan, que defende a seleção da Itália, tem dupla nacionalidade: o pai é italiano, mas a mãe é alemã.

Apesar de ter escolhido jogar pela seleção italiana, ele não esquece a origem alemã. Tanto que entra em campo sempre com uma chuteira com a bandeira da Itália e a outra com a bandeira da Alemanha.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"É definitivamente um jogo especial. Eu não posso ignorar minhas origens. Parte de mim é alemã. Eu passo todo verão na Alemanha desde que eu tinha 15 anos e ainda estou em contato com muitos dos meus amigos de lá. Mas eu nasci na Itália e tenho minhas raízes lá. Portanto, me sinto 99% italiano", disse Montolivo, nesta terça-feira.

Leia mais:

Imagem de destaque

Palmeiras assina com promessa e fixa multa em R$ 600 mi

Imagem de destaque
Envolvimento com apostas

O que trava a negociação para a volta de Paquetá ao Flamengo

Imagem de destaque
Alívio

Como foi a maratona caótica de 1 mês do Corinthians até finalmente sair do Z4

Imagem de destaque
Passou Abel

Veja o que Zubeldía, do São Paulo, fez para se tornar o rei dos cartões


Montolivo, que cresceu perto de Bergamo, no noroeste da Itália, fala fluentemente o alemão. E ele também absorveu algumas características do povo germânico. "Sou frio dentro e fora de campo, disse o meia, que lembrou o seu sentimento depois de perder um pênalti contra a Inglaterra, no domingo.


"Quando você perde um pênalti, você sente como se o mundo inteiro estivesse pesando sobre você. Mas quando eu voltei para o meio de campo, com meus colegas, eu estava calmo e confiante. Eu tinha certeza que o meu erro não seria decisivo", garantiu o jogador italiano.

Montolivo, de 27 anos, jogou as últimas sete temporadas pela Fiorentina. Há um mês, ele assinou um contrato de quatro anos com o Milan, encerrando as especulações de que se transferiria para o futebol alemão. Em 35 jogos pela seleção italiana, ele marcou apenas um gol.


Publicidade
Publicidade

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade